Energia Nova empresa da Gestmin vai contar com 165 postos de combustível

Nova empresa da Gestmin vai contar com 165 postos de combustível

A Oz Energia comprou 50% do grupo Alves Bandeira para dar origem a uma nova empresa que vai contar com 165 postos de combustível em todo o país.
Nova empresa da Gestmin vai contar com 165 postos de combustível
Miguel Baltazar/Negócios
André Cabrita-Mendes 16 de abril de 2018 às 19:29
A Oz Energia anunciou a entrada no capital de uma rede de postos de combustível. A empresa do grupo Gestmin, presidido por Manuel Champalimaud, vai passar assim a controlar 50% do grupo Alves Bandeira (GAB).

A empresa que vai nascer desta operação vai contar com um total de 165 postos de combustível, a partir dos actuais 150 postos do GAB e os 15 da Oz Energia. O acordo entre as duas empresas foi assinado esta segunda-feira, 16 de Abril, segundo comunicado divulgado pela Oz Energia, não tendo sido relevados os valores do negócio.

Esta operação vai agora ser sujeita à autorização pela Autoridade da Concorrência, estando a sua conclusão pendente do aval da entidade presidida por Margarida Matos Rosa.

A Oz Energia foi criada em 2009 quando a Gastmin comprou à Galp os negócios de gás petróleo liquefeito e de aviação da antiga Esso Portuguesa. A empresa detém uma quota de mercado de 12% de gás engarrafado, contando com 157 distribuidores principais em todo o país, assim como 120 lojas e 5.000 pontos de venda. Através da OzDigal, gera 60 mil clientes finais de gás canalizado. 


Em termos de infra-estrutura de armazenamento, enchimento e distribuição de gás, a Oz Energia detém o terminal da Trafaria e explora o terminal de Aveiro. A companhia também fornece combustível para aviação (jet fuel) nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro.

Já o grupo Alves Bandeira detém 150 postos de combustível em todo o país, contando com uma carteira de 4.000 clientes nos sectores dos transportes, agricultores e indústria.

"Com a concretização desta transacção e a integração da gestão deste conjunto de activos, a OZ Energia ganha eficiência e consolida a sua actividade a nível nacional. Este negócio traz benefícios tanto para os nossos parceiros como para os clientes, com o compromisso de poderem passar a aceder a uma rede de distribuição de combustíveis de âmbito nacional. Esta operação é também importante para consolidar a presença do GPL OZ Energia em postos de abastecimento", segundo o presidente da Oz Energia, Emanuel Freitas, em comunicado.

Por seu turno, o grupo Alves Bandeira destaca que "esta operação permite também dotar o grupo dos meios financeiros necessários para um sustentado crescimento orgânico e aumentar a sua rede de retalho. Por via do acesso ao terminal, ambas as empresas têm a expectativa de melhorar as suas condições de aquisição de combustíveis", disse o presidente do GAB, Rui Bandeira.

Em entrevista ao Negócios em Fevereiro, o presidente executivo da Gestmin, João Bento (na foto), adiantava que a empresa iria anunciar "em breve" uma parceria na rede de retalho de combustíveis, mas rejeitou então avançar nomes.

Na altura o gestor também admitiu que a Gesmin já tinha olhado para a gasolineira portuguesa Prio. "Qualquer entidade que esteja neste sector olha para a Prio, sim olhamos para a Prio", disse então João Bento.

A Gestmin foi criada e é presidida por Manuel Champalimaud, enquanto o GAB conta com vários accionistas: família Cassiano Alves Bandeira, família Monjardino e família Mascarenhas e João Pedro Justo. Ambas contam com capital 100% português.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano Há 1 semana

Já agora dá para comprar acções nesta coisa? se não der é uma noticia inútil!

Alentejano Há 1 semana

Não sei se é a realidade mas quando trabalhava no ramo de venda automóvel lembro-me de ter múltiplos problemas nas entregas em locais mais longe de Lisboa porque só dava para criar contractos com a Repsol e a Galp o que dificultava a vida (um gajo tinha de ir a 120km nas autoestradas ou não chegava)

pub