Energia Preço dos combustíveis vai afundar no dia da greve

Preço dos combustíveis vai afundar no dia da greve

A queda acentuada das cotações do petróleo e dos derivados vai provocar a segunda maior descida do ano nos preços dos combustíveis em Portugal no dia em que arranca a greve dos motoristas. Há margem para baixa de 4 cêntimos por litro.
Preço dos combustíveis vai afundar no dia da greve
Muitos portugueses foram abastecer o carro antes da greve, levando alguns postos a ficar sem combustível.
Bruno Colaço
Nuno Carregueiro 09 de agosto de 2019 às 07:00

Quem atestar o depósito do automóvel para enfrentar a greve dos motoristas vai perder um "bónus" na próxima semana. É que os preços dos combustíveis vão registar uma queda muito acentuada na próxima segunda-feira, precisamente o dia em que terá início a greve por tempo indeterminado dos motoristas.

Os cálculos do Negócios apontam para que a descida no preço do gasóleo e da gasolina seja mesmo a segunda maior deste ano, e só inferior à baixa histórica do início de junho, quando os combustíveis baixaram mais de 5 cêntimos por litro. Desta vez as baixas de preço não serão tão pronunciadas, mas não ficam muito longe.

A cotação da tonelada métrica do gasóleo e da gasolina nos mercados (tendo em conta a média diária em euros das últimas quatro sessões) sofreu esta semana uma desvalorização em torno de 7%. Uma variação que, de acordo com os cálculos do Negócios, aponta para que na segunda-feira a gasolineiras tenham margem para baixar o preço dos dois combustíveis em cerca de 4 cêntimos por litro. Fonte do setor confirmou ao Negócios que as descidas deverão ser desta ordem de grandeza.

Esta descida, a confirmar-se, irá mais do que anular as ténues subidas registadas pelos dois combustíveis ao longo das últimas seis semanas. O gasóleo simples está a ser vendido em Portugal a um preço médio de 1,354 euros por litro, de acordo com os dados da Direção Geral de Energia e Geologia.

A descida de 4 cêntimos vai atirar o preço deste combustível para o nível mais baixo desde o início de janeiro. No caso da gasolina simples, o preço está atualmente em 1,52 euros por litro e baixará para níveis de março, inferiores a 1,50 euros por litro.

Quem esperar por segunda-feira para atestar o depósito do automóvel arrisca enfrentar os constrangimentos dos efeitos da greve dos motoristas, com impacto ainda imprevisível. Mas garante uma poupança que desta vez não se resume a escassos cêntimos.

Encher um depósito com 50 litros ficará cerca de 2 euros mais barato na segunda-feira, o que significa uma poupança de 3%.

Petróleo em mínimos

A queda dos preços é expectável para a próxima semana reflete sobretudo a descida acentuada que o petróleo regista esta semana, que condiciona a cotação dos restantes derivados. O barril de Brent acumula esta semana uma desvalorização superior a 7% e atingiu mesmo na quarta-feira o nível mais baixo desde o início de janeiro (abaixo de 56 dólares).

Esta tendência negativa deve-se sobretudo à escalada da guerra comercial, bem como aos receios mais intensos de que a economia mundial está a caminho de uma recessão ou uma travagem forte. As cotações recuperaram esta quinta-feira depois da Arábia Saudita ter dito que vai tomar medidas para travar a desvalorização do petróleo.

 

A evolução dos preços dos combustíveis é calculada pelo Negócios, tendo por base a evolução dos derivados do petróleo (gasóleo e gasolina) e do euro. Ainda assim, a evolução dos custos dependerá de cada posto de abastecimento, da marca e da zona onde se encontra. 

 

Os cálculos têm por base contratos diferentes dos seguidos pelas petrolíferas (ainda que a evolução costume ser semelhante), sendo que os dados a que o Negócios tem acesso só estão disponíveis até quinta-feira (faltando um dia de negociação).




pub

Marketing Automation certified by E-GOI