Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

APEMIP: “Impacto do Brexit no imobiliário não será tão significativo”

Luís Lima, presidente da associação de mediação imobiliária portuguesa, em viagem a Londres, acredita que “quem quer e pode investir fora da Grã-Bretanha continuará a fazê-lo”. Vistos Gold podem ser alternativa.

Miguel Baltazar
Isabel Aveiro ia@negocios.pt 24 de Junho de 2016 às 16:31
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

"O Reino Unido deu aos seus cidadãos o direito de escolher entre a permanência ou a saída da União Europeia" e a "decisão de abandono da UE foi tomada", resume Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Luís Lima, que se encontra esta sexta-feira, 24 de Junho, em Londres de viagem, está, como explicou em resposta escrita ao Negócios, "a assistir, in loco, às reacções dos ingleses sobre o Brexit" e aquilo que qualifica como "momento histórico, cujas consequências são ainda uma incógnita, tanto para a Grã-Bretanha como para a Europa".

"Vontade de investir manter-se-á"

"Na perspectiva do sector imobiliário, em particular do português, em que o investimento por parte de cidadãos britânicos tem grande importância", defende Luís Lima: "creio que o impacto do ‘Brexit’ não será tão significativo".

É certo que, para já, a moeda britânica está a sofrer o impacto directo da votação do referendo desta quinta-feira. Mas, segundo o presidente da associação sectorial: "a eventual desvalorização a libra não será tão significativa que o encarecimento dos nossos activos possa ser um impedimento à sua compra". Até porque, recorda Luís Lima, "Portugal é dos países da Europa cujo preço por metro quadrado é mais barato".

O líder da APEMIP acredita "que a vontade de investir no estrangeiro manter-se-á": "quem pode e quer investir fora da Grã-Bretanha continuará decerto a fazê-lo". E a fazê-lo em Portugal" que reúne condições ímpares para receber este investimento".

Já sobre a questão das consequências sociais da saída do Reino Unido do bloco económico continental europeu, Luís Lima reconhece que o "impedimento da livre circulação de pessoas" poder vir a "implicar novas medidas e regras" para os cidadãos do Reino Unido "que procuram adquirir casa em Portugal".

Mas também aqui pode haver alternativas, argumenta: "O Programa de Autorização de Residência para Actividades de Investimento (‘vistos gold’) poderá até ser uma alternativa para os interessados".

Ver comentários
Saber mais Reino Unido União Europeia Luís Lima presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária Portugal Londres Negócios Grã-Bretanha Europa APEMIP Programa de Autorização de Residência
Outras Notícias