Imobiliário Casas de luxo no centro histórico de Lisboa custam em média 900 mil. Chiado chega a 2 milhões

Casas de luxo no centro histórico de Lisboa custam em média 900 mil. Chiado chega a 2 milhões

As casas de luxo nos dez bairros mais caros do centro histórico de Lisboa foram vendidas a uma média de 896 mil euros no ano passado. No Chiado, o preço médio destes imóveis de gama mais alta foi de 1,96 milhões.
Casas de luxo no centro histórico de Lisboa custam em média 900 mil. Chiado chega a 2 milhões
Miguel Baltazar
Rafaela Burd Relvas 14 de abril de 2019 às 11:00
Nos bairros mais caros do centro histórico de Lisboa, as casas de luxo venderam-se, no ano passado, a uma média de perto de 900 mil euros. No Chiado, o bairro do centro histórico da capital com as casas de gama alta mais caras, os preços médios de venda chegaram quase aos dois milhões.

Os dados são do Sistema de Informação Residencial, da Confidencial Imobiliário, e mostram que as vendas do mercado imobiliário na cidade de Lisboa ascenderam a 6 mil milhões de euros no ano de 2018, o que representa um aumento de 38% e um novo recorde, num total de 13 mil transações. Significa isto que cada imóvel, independentemente da finalidade ou da gama, foi vendido a uma média que ultrapassou os 460 mil euros.

Considerando apenas o segmento habitacional, as vendas cresceram 42% e totalizaram 4 mil milhões de euros. A evolução do mercado de habitação fica a dever-se, sobretudo, à dinâmica no centro histórico. Nesta zona, que inclui as freguesias de Santa Maria Maior, São Vicente e Misericórdia, os preços das casas subiram cerca de 19% no segundo semestre de 2018, depois de já terem aumentado 5,6% na primeira metade do ano.

Se o centro histórico está já entre as zonas da cidade com os valores de venda mais elevados, há bairros dentro desta área que se destacam. No Chiado, o mais caro do centro histórico, o preço médio de venda das casas de luxo foi de 1.958.000 euros no ano de 2018. Logo a seguir vem o Príncipe Real, com um preço médio de venda de um milhão de euros.

No ranking dos dez bairros mais caros do centro histórico da capital contam-se ainda o Bairro Alto (onde as casas de luxo foram vendidas a uma média de 965 mil euros), Sé (927 mil), Bica (831 mil), Baixa (770 mil), São Bento (720 mil), São Paulo (659 mil), Mouraria (581 mil) e Santa Catarina (550 mil).

Feitas as contas, as casas de luxo nos dez bairros mais caros do centro histórico foram vendidas a uma média de 896 mil euros no ano passado.

Para lá do centro histórico, na freguesia de Santo António, a mais cara da capital, o cenário é de preços bem mais elevados. Aqui, nos cinco bairros mais caros (Barata Salgueiro, São Mamede, Avenida da Liberdade, Castilho e Glória), as casas de luxo foram vendidas a uma média de 1,5 milhões de euros em 2018.

A Confidencial Imobiliário não disponibiliza a área média das casas vendidas, pelo que não é possível calcular o preço por metro quadrado. Mas, em 2017, dados da mesma entidade mostravam que os valores das casas de luxo no Chiado, por exemplo, superavam os 10 mil euros por metro quadrado. Tendo em conta o aumento de preços registado no centro histórico de Lisboa, este valor será agora superior.

Também pelos números oficiais do Instituto Nacional de Estatística (INE) é possível conhecer o valor do metro quadrado em cada freguesia, ainda que não haja dados para os bairros. Santo António, onde fica a Avenida da Liberdade, é a freguesia mais cara de Lisboa, onde o preço mediano do metro quadrado é de 4.532 euros. Seguem-se as freguesias da Misericórdia (onde fica o Bairro Alto e o Cais do Sodré) e de Santa Maria Maior (que abrange o Chiado e a Baixa), estas duas parte do centro histórico, onde os valores medianos do metro quadrado foram de 3.998 euros e de 3.825 euros, respetivamente.

Considerando o conjunto do município de Lisboa, o mais caro do país, os dados mais recentes do INE dão conta de um aumento de 24,3% no terceiro trimestre do ano passado, para um preço mediano de 2.877 euros por metro quadrado.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI