Imobiliário Mapa: Os preços das casas em todos os concelhos. De 130 euros em Pampilhosa a 2.753 euros em Lisboa

Mapa: Os preços das casas em todos os concelhos. De 130 euros em Pampilhosa a 2.753 euros em Lisboa

Veja no mapa do Negócios o preço médio de venda das casas em todos os concelhos do país no segundo trimestre e a evolução desde 2016.
Nuno Carregueiro 03 de novembro de 2018 às 10:00

Se está a ver esta notícia da aplicação do Negócios clique aqui.

 

De 130 euros por metro quadrado na Pampilhosa da Serra aos 2.753 euros por metro quadrado em Lisboa. É esta a amplitude de preços nas vendas de casas em Portugal no segundo trimestre do ano.

 

Comprar uma casa em Lisboa custa assim 21 vezes mais do que em Pampilhosa da Serra. E 10 vezes mais do que em Mogadouro (275 euros por metro quadrado), ou cinco vezes mais do que no Entroncamento (549 euros por metro quadrado).

 

Mas não é preciso ir ao interior do país para encontrar municípios onde as casas são bem mais baratas do que em Lisboa. O preço de venda em Loures (1.349 euros por metro quadrado) é metade do registado na capital e em Torres Vedras (918 euros por metro quadrado) um terço.

 

Os dados que o INE revelou na terça-feira, 30 de Outubro, mostram que o preço mediano dos alojamentos familiares em Portugal aumentou 8,15% no segundo trimestre, para 969 euros por metro quadrado.

 

Mas como se vê nos exemplos em cima, bem como no mapa que o Negócios publica nesta notícia, os preços de venda são bem diferentes da média nacional, com valores substancialmente inferiores sobretudo no interior e mais elevados especialmente no litoral e nas grandes cidades.

 

A cidade do Porto destacou-se pelo forte aumento dos preços (+24,7%), o que permitiu à capital do Norte reocupar o segundo lugar entre os municípios mais caros no que ao imobiliário diz respeito.

 

O crescimento registado nas duas maiores cidades do país mostra que a tendência de subida dos preços das casas em Portugal acentuou-se no segundo trimestre, uma vez que as taxas de aumento no primeiro trimestre também tinham sido expressivas, mas ligeiramente inferiores (Porto com 22,7% e Lisboa com 20,4%).

 

Na lista das cidades com maiores subidas de preços destacam-se ainda a Amadora (+15,8%), Braga (12,3%), Funchal (10,4%) e Vila Nova de Gaia (+10,3%).

  

Para ver os valores praticados em todos os concelhos do país, consulte o mapa em cima, onde também pode ver a evolução dos preços em cada município ao longo dos trimestres mais recentes.

 

Como ler o mapa (em cima): Ao passar o cursor pelos vários municípios, vê o preço médio de venda por metro quadrado relativo ao período mais recente (neste caso o segundo trimestre de 2018). Ao seleccionar um município, vê o gráfico da evolução dos preços nos trimestres mais recentes. Pode ainda alterar a legenda, para ver apenas os municípios que apresentam valores para o intervalo definido. Para isso tem que arrastar o cursor, que se situa a vermelho na parte inferior da legenda.

  

Fortes subidas em várias freguesias de Lisboa e Porto

 

O crescimento registado nas duas maiores cidades do país mostra que a tendência de subida dos preços das casas em Portugal acentuou-se no segundo trimestre, uma vez que as taxas de aumento no primeiro trimestre também tinham sido expressivas, mas ligeiramente inferiores (Porto com 22,7% e Lisboa com 20,4%).

 

Esta tendência de forte subida dos preços verifica-se sobretudo nas habitações localizadas nos centros de Lisboa e Porto, que estão a ser vendidas por valores que chegam a ser 40% mais elevados do que o registado há um ano.

 

Santo António continua a ser a freguesia mais cara. No segundo trimestre as casas foram vendidas nesta zona por um preço mediano de 4.105 euros por metro quadrado (€/m2), um aumento de 24,6% face ao período homólogo.

 

O aumento registado nesta freguesia onde se situa a Avenida da Liberdade e o Marquês de Pombal está em linha com a média da cidade (23,4%), mas longe das subidas mais pronunciadas noutras zonas da capital.

 

A freguesia das Avenidas Novas é a campeão da subida dos preços das casas. Aumentaram 37,2% para 3.338 €/m2, continuando a beneficiar com a reabilitação de muitas habitações e ruas nesta zona da cidade (Campo Pequeno e Praça de Espanha, por exemplo).

 

De seguida destacam-se Campolide (2.633 €/m2) e Ajuda (2.564 €/m2), com aumentos de preços acima de 35%. E também Estrela e Arroios, freguesias onde os aumentos dos preços das casas situaram-se acima dos 30%.

 

No Porto o cenário não é muito diferente do registado na capital, sendo que a subida dos preços é até mais acentuada, mas os valores ainda substancialmente inferiores aos praticados em Lisboa.  

 

A União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória destaca-se com um aumento de preços de 43,7%, embora o valor mediano de 1.777 €/m2 esteja pouco acima da média da cidade e ainda algo distante da zona mais cara no Porto.

 

É na União das freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde que as casas têm o preço de venda mais elevado (2.142 €/m2), sendo que nesta zona da cidade o aumento de preços foi de 22,9%. Ramalde, União das freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos e Paranhos são as outras freguesias com aumentos de preços acima de 20%.

 

Tendo em conta todas as freguesias de Lisboa e Porto, os preços só descem numa delas (Marvila). Nas restantes as variações são todas positivas e de dois dígitos.

pub

Marketing Automation certified by E-GOI