Imobiliário Novo Banco obriga a que todas as propostas de compra da Comporta sejam votadas

Novo Banco obriga a que todas as propostas de compra da Comporta sejam votadas

A sociedade gestora Gesfimo marcou a assembleia-geral que vai votar a proposta de venda da Comporta para dia 27 de Julho. Só que o Novo Banco quis que fossem deliberadas as três ofertas.
Novo Banco obriga a que todas as propostas de compra da Comporta sejam votadas
Rui Minderico/Correio da Manhã
Diogo Cavaleiro 09 de julho de 2018 às 08:30

O Novo Banco quer conhecer todas as propostas de aquisição do fundo da Comporta, o veículo que gere os activos imobiliários da herdade. A 27 de Julho, a assembleia-geral dos participantes do fundo imobiliário vai decidir-se sobre todas as propostas e não apenas uma, como inicialmente foi anunciado.

 

A Gesfimo, a sociedade gestora de fundos que é responsável pelo fundo imobiliário fechado da Herdade da Comporta e que pertencia ao antigo Grupo Espírito Santo, convocou uma assembleia-geral para 27 de Julho. Como o Negócios tinha já escrito, a assembleia-geral já tinha sido adiada uma vez para permitir aos participantes do fundo ter acesso às informações sobre as três propostas. Mas ainda não havia qualquer vontade de as mesmas serem deliberadas.

 

Só que houve um detentor de uma participação qualificada que pediu a inclusão de mais um ponto na ordem de trabalhos da assembleia-geral de 27 de Julho. O Expresso adiantou que se trata do Novo Banco, uma informação que o Negócios dispõe.

 

"Considerando a importância que reveste para os participantes a alienação dos activos do Fundo, deliberar sobre todas as restantes propostas de aquisição dos activos do Fundo que tenham sido recebidas pela Gesfimo - Espírito Santo Irmãos, Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S.A. na qualidade de Entidade Gestora do Fundo, e que não se encontram incluídas no ponto único da convocatória datada de 25 de Junho de 2018", é o novo ponto da ordem de trabalho.

 

Em cima da mesa para a compra do fundo da Comporta, que segue num novo processo de venda depois de o primeiro ter sido travado pelo Ministério Público, estão três propostas. 

 

Na nova fase, a proposta que seria deliberada, sob proposta da gestora do fundo imobiliário, era a da Oakvest Holding associada à família Carvalho Martins (que controla os restaurantes Portugália). As duas outras ofertas partem da Vanguard Properties, junta com a empresária Paula Amorim, e ainda uma de Loius-Albert de Broglie.

O Novo Banco tem cerca de 15% do fundo imobiliário da Comporta, cujo principal dono é a massa insolvente da Rioforte, empresa que pertencia ao Grupo Espírito Santo. 

A alienação é necessária para evitar a insolvência do fundo da herdade localizada em Grândola e Alcácer do Sal. O risco de insolvência é "real", foi já admitido pela entidade e pelos responsáveis da insolvência da Rioforte.




pub