Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Preços da habitação crescem 7,1% em 2016

O índice de preços da habitação acelerou a tendência de subida face aos dois anos anteriores.

Bruno Simão
Patrícia Abreu pabreu@negocios.pt 23 de Março de 2017 às 11:20
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O índice de preços da habitação cresceu, em 2016, ao nível mais elevado de sempre, com o indicador a acelerar a tendência de recuperação iniciada em 2014. No acumulado do ano, os preços cresceram 7,1%, suportados pelo comportamento dos alojamentos existentes.

 

"Em 2016, o IPHab registou uma taxa de variação média anual de 7,1%, mais do dobro da observada em 2015 (3,1%) e a taxa mais elevada da série disponível", refere o comunicado do Instituto Nacional de Estatística (INE). De acordo com o mesmo documento, quer os alojamentos novos, quer os já existentes "apresentaram aumentos no nível médio dos preços no último ano", ainda que a habitação já existente tenha liderado a subida dos preços, com um crescimento de 8,7%, enquanto as casas novas verificaram uma subida de 3,3%.

 

Segundo o INE, os preços dos alojamentos existentes cresceram o dobro face a 2014 e 2015, anos em que as subidas foram de 4,3% e 4%, respectivamente. "A taxa de variação média anual dos alojamentos novos foi 1,6 p.p. superior à registada em 2015, e inferior ao máximo da série observado para 2014 (4,1%)", adianta o INE.

Em termos trimestrais, o índice registou um crescimento de 7,6% no quarto trimestre, idêntico ao registado no trimestre anterior. "Tal como tem vindo a suceder desde o último trimestre de 2014, os alojamentos existentes voltaram a registar um aumento dos preços (9,2%) superior ao verificado nos alojamentos novos (3,5%)", avança o INE.

Mais transacções. Lisboa lidera

Em termos de transacções, os negócios também continuam a mostrar uma tendência de recuperação. Registaram-se 127.106 transacções de habitações, em 2016, mais 18,5% do que em 2015 e acima de 14,8 mil milhões de euros, mais 18,7% que em 2015.

Trata-se do quarto ano consecutivo de um aumento no número de vendas de alojamentos (aproximadamente mais 20.000 unidades do que em 2015). Das transacções realizadas no último ano, o grosso – 83% – diz respeito à compra e venda de habitações já existentes.

A Área Metropolitana de Lisboa continua a ser o palco do maior número de operações. Concentrou 44.311 transacções de alojamentos o que representa um novo máximo na série disponível, tanto em termos absolutos como no que respeita à quota relativa regional (34,9%). Já o Algarve, com um total de 12.361 transacções, foi a outra região que registou um máximo regional no ano em análise.

Em termos de valor, a Área Metropolitana de Lisboa captou quase metade do montante envolvido em negócios no último ano. "Os alojamentos transaccionados na Área Metropolitana de Lisboa (em 2016) totalizaram mais de 6,9 mil milhões de euros, o que representa o mais elevado peso relativo (47%) desta região na série disponível", conclui o INE.

Ver comentários
Saber mais casa preço da habitação INE
Outras Notícias