Indústria Actividade da indústria cresce ao pior ritmo desde Março

Actividade da indústria cresce ao pior ritmo desde Março

O volume de negócios da indústria portuguesa cresceu 2,1% em Setembro, o ritmo mais lento desde Março, devido à desaceleração das vendas para o mercado interno.
Actividade da indústria cresce ao pior ritmo desde Março
Paulo Duarte
Rita Faria 09 de novembro de 2018 às 11:53

O crescimento da actividade da indústria portuguesa desacelerou em Setembro, com o volume de negócios a subir ao ritmo mais lento desde Março, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, 8 de Novembro.

O índice que mede o volume de negócios na indústria cresceu 2,1%, em Setembro, face ao mesmo mês do ano anterior, depois do avanço de 2,9% verificado em Agosto. Uma desaceleração que o INE justifica, em parte, com efeitos de calendário. "Este resultado estará influenciado pelo facto de Setembro de 2018 ter menos um dia útil que o mês homólogo e menos dois que o mês anterior", adianta.

No que respeita ao destino dos bens produzidos pela indústria portuguesa, foi o mercado nacional que mais contribui para este abrandamento, já que as vendas cá dentro passaram de um crescimento de 4,2%, em Agosto, para 2,7% em Setembro.

Já as vendas para o exterior aceleraram ligeiramente, passando de uma subida de 0,7% para um avanço de 1,1%.   

Em termos de categorias de bens, os maiores contributos positivos vieram dos bens de investimento e da energia. No primeiro caso, as vendas aumentaram 10,1% depois da quebra de 10,2% registada em Agosto, enquanto na energia o aumento foi de 5,3%, inferior ao do mês anterior (11,7%).

Pelo contrário, os índices de bens intermédios e de bens de consumo diminuíram 1% e 1,5%, respectivamente, em termos homólogos.

Na comparação em cadeia, o volume de negócios da indústria cresceu 13,8%, face a Agosto, depois da subida de 14,7% verificada nesse mês face ao anterior.

Em termos trimestrais também se verificou uma desaceleração, com a actividade das indústrias a subir 5,1% no período entre Julho e Setembro, abaixo do crescimento de 6,4% no segundo trimestre.

 




Saber mais e Alertas
pub