Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portucel regista quebra do lucro inferior à esperada

O último trimestre da Portucel sob gestão de José Honório foi marcado por uma diminuição de 8,6% do resultado líquido em comparação com o primeiro trimestre de 2013. Ainda assim, as receitas subiram, ficando acima da previsão dos analistas. EBITDA e margem operacional resvalaram. Pasta destacou-se pela negativa, papel pela positiva.

Correio da Manhã
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 23 de Abril de 2014 às 19:07
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

O lucro da Portucel caiu nos primeiros três meses do ano, tanto em comparação com o trimestre anterior como com o mesmo período do ano passado. Uma quebra que não impediu que ficasse acima da previsão média dos analistas compilados pela agência Reuters.

 

O resultado líquido da papeleira controlada pela Semapa de Pedro Queiroz Pereira ficou-se pelos 40,8 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, o que representa uma descida de 8,6% face aos 44,7 milhões registados um ano antes, conforme aponta o relatório publicado pela empresa no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A previsão de três casas de investimento compiladas pela Reuters apontava para um lucro médio de 38 milhões de euros.

 

Na análise em cadeia, que compara com o trimestre imediatamente anterior, o deslize do lucro da empresa - que até ao final do primeiro trimestre esteve sob comando de José Honório - foi mais intenso: 32,3%.

 

“As perspectivas relativamente à manutenção de um enquadramento difícil para 2014, embora menos acentuado que em anos anteriores, com a possibilidade de alguma estabilização do consumo, foram sendo confirmadas ao longo do primeiro trimestre”, indica a companhia agora liderada por Diogo da Silveira no comunicado.

 

Pasta e energia dão contributo negativo; papel melhora

 

Neste período, o volume de negócios fixou-se em 365,3 milhões de euros, acima da média estimada de 351 milhões. Em termos homólogos, há um avanço de 2,4% mas o cenário é mais negro na análise em cadeia, com uma quebra de 7,1%.

 

O negócio da pasta branqueada de eucalipto (conhecida pelas siglas BEKP), que se destina essencialmente ao fabrico de papéis nos segmentos de impressão e escrita ou papéis especiais, deu um contributo negativo. O volume de vendas aumentou mas o preço médio de venda caiu, o que levou a que se tenha verificado uma descida de 7% no volume de negócios nesta área.

 

No papel, em que está presente com marcas como a Navigator ou a Pioneer, a Portucel explica que se tem “assistido a uma melhoria no nível de encomendas registadas pelos produtos europeus”. Neste caso, o maior volume de vendas “permitiu mais do que compensar” o deslize do preço do papel, conduzindo a um aumento de 4% do volume de negócios do papel.

 

No segmento da energia, onde a Portucel é produtora energética através da biomassa florestal, o grupo verificou uma quebra da produção bruta. “Para esta redução, contribuiu essencialmente a paragem anual de manutenção da Central Termoeléctrica a Biomassa de Cacia”, explica a entidade que está presente em fábricas em Setúbal, Figueira da Foz e Cacia.

 

EBITDA e margem recuam

 

Com receitas em ligeira ascensão mas com um agravamento dos custos (com a madeira), o resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) caiu 8,6% em termos homólogos para se fixar nos 78 milhões de euros, neste caso, em linha com as expectativas dos analistas. A margem de EBITDA (que compara este indicador com as vendas totais) “situou-se em 21,3%, o que traduz uma diminuição de 2,6 pontos percentuais face ao trimestre homólogo”.

 

No primeiro trimestre do ano, o grupo teve de lidar, também, com resultados financeiros mais elevados, de 7,3 milhões de euros negativos, comparáveis aos 3,1 milhões homólogos, explicados “fundamentalmente pelas operações de refinanciamento da dívida concretizadas em 2013”.

 

A dívida líquida remunerada ascendeu a 251,6 milhões de euros, um alívio de 89,5 milhões na variação com os primeiros três meses de 2013.

 

Em bolsa, as acções da companhia encerraram esta quarta-feira a cair 0,99% para negociarem nos 3,186 euros.

Ver comentários
Saber mais Portucel Diogo da Silveira José Honório papel pasta e papel
Outras Notícias