Media Comissão de Trabalhadores da RTP questiona escolha de novo Director de Informação

Comissão de Trabalhadores da RTP questiona escolha de novo Director de Informação

A Comissão de Trabalhadores da Rádio Televisão Portuguesa (RTP) emitiu esta segunda-feira novo comunicado a propósito das mudanças na empresa, questionando "os fundamentos da opção por José Manuel Portugal" para Director de Informação.
Comissão de Trabalhadores da RTP questiona escolha de novo Director de Informação
Lusa 30 de dezembro de 2013 às 23:39

Em comunicado, intitulado "Um esclarecimento que faria falta", os representantes dos trabalhadores da RTP afirmam que, "a bem das condições de credibilidade que qualquer Director de Informação necessita para um eficaz exercício do cargo", a administração da RTP, liderada por Alberto da Ponte, deve esclarecer "os fundamentos da opção por José Manuel Portugal", em substituição de Paulo Ferreira.

 

A demissão de Paulo Ferreira do cargo de Director de Informação da RTP foi conhecida na sexta-feira à noite, tendo este alegado tratar-se de uma "decisão pessoal" e também o que entende ser o que "melhor defende os interesses gerais da RTP".

 

A administração aceitou o pedido de demissão e nomeou José Manuel Portugal para o cargo, decisão que aguarda agora o parecer da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

 

"Neste momento, é natural que todos - trabalhadores, público, imprensa, parlamento - nos perguntemos quem é o novo responsável pela informação da estação pública, que provas deu até agora, que competências o vocacionam para o cargo e que metas lhe foram fixadas", escreve a CT, no comunicado divulgado hoje.

 

Já no sábado, a CT havia reagido à notícia da demissão de Paulo Ferreira sem surpresa. "A demissão de Paulo Ferreira era esperada, porque alguém que perde a confiança da sua redacção tem que sair, e só peca por tardia", disse à Lusa Camilo Azevedo, da CT, numa alusão ao plenário de jornalistas que, em Outubro, culminou na retirada de confiança à Direcção de Informação da RTP, por esta ter aceitado participar no processo de avaliação para a elaboração de listas de jornalistas a colocar na mobilidade.

 

A saída de Paulo Ferreira "era uma questão de tempo" e o caso demonstra "a lapalissada segundo a qual o curriculum jornalístico não é suficiente garantia de adequação ao cargo de DI", reitera a CT no comunicado de hoje.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI