Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Quem comprou a Tobis? (act.)

Tem sido, apenas, referido que os compradores da Tobis são angolanos. Mas não é, ainda, pelo processo na Concorrência que se sabe quem são. Mas há pistas.

Alexandra Machado amachado@negocios.pt 20 de Março de 2012 às 14:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
De acordo com a notificação da compra da Tobis pela Filmdrehtsich na Autoridade da Concorrência, a empresa adquirente foi constituída em Portugal com o propósito de comprar activos da produtora nacional de filmes, mas que tem como accionista a Berkeley - Gestão de Serviços, que, "por sua vez, é da propriedade de cinco sócios de nacionalidade angolana", lê-se na notificação que não especifica os seus nomes.

Mas, segundo apurou o Negócios, a Filmdrehtsich, constituída este ano, é uma sociedade portuguesa por quotas, com um capital social de cinco mil euros, e que tem sede em Lisboa, na mesma localização da Ifogest, empresa de consultoria de investimentos, com ligação ao Banco Atlântico, de Carlos Silva. Já era conhecida a associação desta entidade angolana ao processo de compra da Tobis, enquanto assessor financeiro.

A Filmdrehtsich tem como gerente Angélica Conchinha que declara ter sede fiscal no mesmo escritório que a Ifogest. Já a Berkeley tem sede no Bairro Azul, município do Samba, em Luanda. Não são revelados os sócios da Berkeley, os tais cinco angolanos.

No caso da Ifogest, que segundo os últimos dados do registo comercial, é detida por Hortensio Simaria da Silva, os administradores são José Pedro Reis Soeiro, João Mariz Fernandes e Manuel Queiroz de Aguiar. Numa pesquisa da internet consegue-se ver relação de alguns destes elementos ao Banco Atlântico e à Mota-Engil Angola. Dois dizem ter sede fiscal em Angola.

Ainda hoje, no decorrer de uma comissão parlamentar, vários deputados questionaram o secretário de Estado da Cultura sobre a identidade do comprador da Tobis. Francisco José Viegas declarou ter sido a Filmdrehtsich. "Tem sido referido que não conhecíamos a empresa. Conhecíamos bem as entidades financeiras da qual faziam parte bancos com nome bastante aceitável. Conhecíamos essas entidades, foi com elas que negociámos. E acompanhámos a criação da empresa".

Questionado pela deputada do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, sobre se a Tobis foi adquirida pelo director de propaganda e informação do MPLA que terá, segundo disse a deputado, visitado a Tobis, Francisco José Viegas disse não saber quem era essa pessoa. Ficou, ainda, a promessa de ser divulgado o caderno de encargos da venda da Tobis quando o processo estiver concluído.

(Actualizado às 19h05 com comissão parlamentar onde Francisco José Viegas foi ouvido).
Ver comentários
Outras Notícias