Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

(I) Literacia financeira em Portugal

Activo e Passivo. São palavras usadas diariamente por milhares de profissionais em Portugal. Contudo, será que a maioria dos portugueses realmente percebe estes conceitos? Não. Claramente não. Basta olhar para o grau de endividamento das famílias portugue

Euclides Major 28 de Novembro de 2007 às 13:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A maior parte das pessoas pensa que compra activos. Mas não. Um activo é na sua essência algo, que gera ou pode gerar benefícios futuros. Ora, as viagens, férias, telemóveis, a compra de um carro a crédito, tudo isto gera benefícios futuros? Não. E é esta simples diferença que a maior parte da sociedade não compreende. Basta parar e observar à sua volta, e certamente encontrará um padrão: quase ninguém realmente compra ou tenciona comprar um bem que lhe proporcionará um influxo de dinheiro (activo). E pior ainda é adquirir este tipo de bens recorrendo ao crédito.

Um outro exemplo claro de iliteracia financeira é o abuso excessivo do cartão de crédito. É prática comum, hoje em dia, mesmo quando os juros cobrados são absolutamente astronómicos. Aqui, a culpa também é dos agentes económicos como os bancos (onde está a famosa ética e responsabilidade social?), que recorrem às estratégias mais inimagináveis para incentivar o consumo.

Obviamente que numa sociedade onde predomina esta mentalidade, o próprio Governo espelha esta falta de literacia financeira. Só assim se explica o montante do desequilíbrio das contas públicas, e pior ainda, a falta de uma solução estrutural (e não apenas mais umas máscaras que disfarçam a real dimensão e persistência) para resolver o défice. Se houvesse mais literacia financeira, o grau de exigência seria muito maior, e os portugueses não se deixariam levar em promessas eleitorais de diminuição do défice sem aumento dos impostos e sem qualquer medida estrutural que vise a diminuição clara de despesa. Claro que o Governo, tendo em primeiro lugar o objectivo de ter um bom resultado nas eleições seguintes não pode perante uma sociedade que não compreende sequer a diferença entre activo e passivo, tomar as medidas necessárias para conter a despesa e equilibrar as contas públicas. Porquê? Iliteracia financeira meus caros?

Outras Notícias