Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Uma das condições impostas pela Ángeles já está cumprida: ES Saúde está no Novo Banco

Os depósitos da Espírito Santo Saúde estão no Novo Banco. Para já, uma das condições impostas pelo grupo Ángeles está concretizada. Mas o Banco de Portugal pode alterar essa transferência se assim o entender.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 10 de Setembro de 2014 às 13:56
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

O grupo mexicano Ángeles colocou quatro condições para que a oferta pública de aquisição sobre a Espírito Santo Saúde se concretizasse. Uma delas era a transmissão de todas as posições, como depósitos, para o Novo Banco. E isso já está cumprido.

 

Essa informação consta do relatório relativo à oportunidade e condições da oferta publicado na terça-feira, 9 de Setembro, e é a primeira vez que, oficialmente, é dita pela administração da dona do Hospital da Luz.

 

"A totalidade dos depósitos que se encontravam constituídos pela Espírito Santo Saúde e por entidades que com ela se encontram em relação de domínio ou de grupo junto do BES transitaram para o Novo Banco, não existindo, na presente data, qualquer limitação no que diz respeito ao acesso aos saldos existentes e à sua livre movimentação", indica o documento.

 

"Isto sem prejuízo do direito do Banco de Portugal poder transferir activos, passivos elementos extrapatrimoniais e activos sob gestão do Novo Banco S.A. para o BES", acrescenta o comunicado publicado pela administração da ES Saúde, que pertence ainda ao Grupo Espírito Santo (51% do seu capital). Apesar de, neste momento, a transferência estar concretizada, sabe-se que o processo de transmissão de activos entre o Novo Banco e o veículo financeiro que ficou com os activos considerados problemáticos do BES é contínua e pode ocorrer a qualquer momento, por determinação do Banco de Portugal.

 

Sobre as restantes três condições, cuja concretização tem de se verificar para que a OPA possa ser bem sucedida, "não é do conhecimento da administração da ESS se já se encontram preenchidas".

 

A primeira é a "obtenção de consentimento, ou declaração de não oposição, sem condições, para a transmissão, por via indirecta, das acções representativas do capital social da sociedade SGHL – Sociedade Gestora do Hospital de Loures, S.A. e da sociedade HL – Sociedade Gestora do Edifício, S.A. por parte do Estado Português". O hospital de Loures corresponde a uma parceria público-privada.

 

O segundo ponto tem que ver com a não oposição ou consentimento, "sem condições", por parte de bancos financiadores relativamente a contratos de financiamento com cláusulas de mudança de controlo.

 

Por fim, a terceira condição imposta pelo Grupo Empresarial Ángeles é a de "obtenção de consentimento, ou declaração de não oposição, sem condições, à transmissão das acções e à transmissão, por via indirecta, de acções representativas do capital social das subsidiárias da ESS, por parte de determinadas empresas de seguros privadas, incluindo as empresas administradoras externas, de subsistemas de saúde públicos ou privados e pelo Ministério da Saúde no âmbito de contratos para a prestação de serviços de saúde".

 

A OPA da Ángeles sobre a empresa liderada por Isabel Vaz avalia cada acção a 4,30 euros. Um preço considerado "aceitável" pela administração, ainda que possa não reflectir todo o potencial futuro. Esta posição deixa, segundo a unidade de investimento do BPI, a porta aberta para uma subida da contrapartida.  

Ver comentários
Saber mais Ángeles ES Saúde Novo Banco Espírito Santo Saúde Isabel Vaz
Mais lidas
Outras Notícias