Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Os negócios porta a porta estão de volta

Recuperando tradições ou afirmando-se como verdadeiros produtos do segundo milénio os negócios porta a porta têm surgido um pouco em todas as áreas. Em comum, dispõem de modelos simples e estruturas de custos baixas...

Cristina A. Ferreira/Casa dos Bits 08 de Abril de 2010 às 11:29
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Recuperando tradições ou afirmando-se como verdadeiros produtos do segundo milénio os negócios porta a porta têm surgido um pouco em todas as áreas. Em comum, dispõem de modelos simples e estruturas de custos baixas.

Há vinte anos não era estranho que o peixe fresco fosse ter à porta de casa pela mão do vendedor. Ou o pão, ou os legumes. E hoje também não é. Pelo menos nos locais onde a tradição de venda porta a porta se mantém, sobretudo no interior, ou naqueles em que esta forma de comércio está a renascer, em novos moldes.

Rita Eismann, Miguel Zegre e Cristina Couto Soares são três empreendedores que recuperaram tradições e deram-lhes um toque de modernidade. Há vinte anos quando o pão ou o peixe eram entregues em casa a encomenda não tinha sido feito pela Internet. Nos negócios que Rita ou Miguel montaram é assim que se processa o contacto com o cliente. Rita explica que a criação de uma página Web que aceitasse as encomendas dos clientes da Sabores da Manhã foi um dos investimentos de relevo que teve de fazer no lançamento do seu negócio, nascido em meados do ano passado.

A empresa de Rita leva pão fresco, bolos, leite e jornais todas as manhãs a quem quiser um pequeno-almoço com produtos do dia sem sair de casa e estiver na sua zona de abrangência. "A pessoa das entregas nem chega a ver o cliente", confirma Rita. Quando o cliente acorda já pode ter os produtos pendurados na porta, dentro do prédio, no quintal. A forma de entrega é combinada caso a caso, ao contrário da encomenda que deve sempre passar pelo canal online, salvo quando o cliente não tem meios para o fazer o que, como explica Rita, não é habitual.






"A alma do meu negócio é entregar legumes frescos e só o consigo se chegarem num dia e os entregarmos logo no dia seguinte"

Cristina Couto Soares, criadora da Horta
à Porta

Site
http://www.hortaaporta.com/


Legumes biológicos à porta de casa

Aos 39 anos a engenheira agrónoma estava numa situação profissional pouco estável quando um amigo que se dedicava à agricultura biológica lhe pediu ajuda na distribuição dos produtos que produzia. Aceitou o desafio e começou com sete clientes. Os constantes pedidos de produtos que não conseguia fornecer apenas com o produtor de partida levaram à procura de outros e com a oferta também cresceu a procura. Hoje soma 134 clientes e mais de 20 fornecedores alimentam uma oferta que se estendeu dos legumes à fruta e já passou pelas refeições, uma área que por agora está suspensa.

Para lançar o projecto recorreu à Iniciativa Local de Emprego do Instituto de Emprego e Formação Profissional e hoje mantém o negócio com uma equipa de três pessoas, uma carrinha, um carro de distribuição e um armazém onde recebe, separa e encaminha os produtos frescos, que não chegam
a passar por arcas frigorificas.

Todo o processo é rápido para não comprometer a principal propostas de valor: "a alma do meu negócio é entregar legumes frescos e só o consigo se chegarem num dia e os entregarmos logo no dia seguinte", explica Cristina Soares.

Como funciona?
A Horta à Porta recebe encomendas até sexta-feira de manhã de cada semana. Recebe os produtos à terça e faz a distribuição no dia imediatamente a seguir a partir das 8 horas da manhã. À disposição do cliente estão três cabazes com preços que variam entre os 16 e os 27 euros e que se diferenciam pelo número de produtos incluídos (entre 8 e 12), disponíveis para entregas semanais ou quinzenais.



O porta a porta de Miguel Zegre também passa pela Internet e veio colmatar uma lacuna que o próprio sentiu na pele quando trocou Sesimbra por Lisboa: como ter peixe fresco em casa sem que isso signifique deixar o carro com um cheiro insuportável durante semanas? Falou com um amigo, ligado à pesca e em 2006 puseram mãos à obra.

As encomendas são sempre feitas online pelos clientes até à quinta-feira às 17 horas. Não há stocks de peixe, nem loja física. A encomenda semanal de peixe é feita "com base nas escolhas prévias do cliente". Fisicamente existe apenas um armazém onde o peixe é arranjado e colocado em caixas de plástico prontas a ir ao frigorífico ou congelador, após a entrega em casa do cliente.

Conseguir a confiança do consumidor foi difícil? Nem por isso. Miguel admite que o assunto era uma preocupação para si e para o sócio Manuel Cardoso, mas acabou por não impedir o sucesso deste seu part-time. Para conquistar a confiança do cliente a Peixe Fresco impôs uma regra: quando o cliente não fica satisfeito o dinheiro é devolvido. Por outro lado, o facto de ser um "produto que as pessoas valorizam tem permitido alguma rentabilidade".






"O peixe é um produto que as pessoas valorizam e isso tem-nos permitido alguma rentabilidade na Peixe Fresco"

Miguel Zegre, Fixe em Casa

Site
http://www.peixefresco.com.pt/catalog/


Do mar para a cozinha

A proposta de levar peixe fresco à cozinha de quem de outra forma teria de se deslocar a um mercado ou a um supermercado para o comprar foi um desafio que abraçou em 2006. Enviar um email aos amigos foi o primeiro esforço de divulgação. Nos amigos dos amigos estava um jornalista que se interessou pela história e que escreveu o artigo que daria a conhecer a um leque mais alargado de pessoas a proposta de Miguel e do sócio Manuel Cardoso. Montar o negócio que hoje conta com cinco pessoas para arranjar o peixe e outras duas no desempenho das restantes tarefas não foi difícil.

O investimento inicial foi baixo e o facto de Manuel já estar ligado à pesca facilitou os contactos com uma rede de fornecedores de peixe, sobretudo de Sesimbra.

O negócio cresceu para 1200 clientes registados no site e 400 a 500 compradores e hoje o momento é de reflexão. No futuro novas zonas do país podem ser cobertas pela oferta que também pode aumentar, sempre no domínio dos frescos. Entretanto Miguel mantém-se no negócio em part-time.
A actividade principal decorre numa empresa de sistemas de informação.

Como funciona?

A oferta de peixe disponível vai variando e pode ser consultada pelos clientes na página de Internet da empresa, único local para receber encomendas com dia fixo para terminar. Fixos são também os dias de entregas entre sexta e sábado. Lisboa, Oeiras, Almada, Seixal e Sesimbra são os concelhos que podem beneficiar da oferta da Peixe Fresca.



O sucesso está no valor da oferta
O valor percepcionado pelo cliente neste tipo de ofertas parece de facto ser a chave do sucesso e o elemento crucial para fazer funcionar o boca a boca que divulga o negócio e ajuda a ultrapassar eventuais receios que resultem da ausência de uma presença física, onde o produto possa ser visto e mexido.

Cristina Couto Soares sente isso por parte da sua clientela e já ouviu vários elogios os seus legumes e frutas frescas, que nascem da agricultura biológica e chegam à mão do cliente certificados como tal. Por semana ou quinzenalmente, passa à porta dos clientes com uma cesta cheia de produtos da época que tenta jogar com as preferências de cada comprador, mas que em última análise é ela que prepara, tendo em conta a diversidade e quantidade recebida todas as semanas. Os clientes em regra aceitam as sugestões.

Cristina acredita que o sucesso do projecto, ainda confinado à região do grande Porto, embora não por falta de propostas de expansão, também se deve ao facto de ter nascido numa altura em que as pessoas já estavam "despertas para a importância de manter uma alimentação saudável". Entre os clientes encontra famílias com filhos, sem filhos, avós que cozinham para os netos e uma diversidade estruturas familiares que podem divergir no tamanho mas partilham a consciência da necessidade de uma alimentação saudável.






"Os clientes gostam do serviço porque é muito prático e não obriga a sair de casa"

Rita Bandeira Eismann, Sabores da Manhã

Site
http://www.saboresdamanha.pt/site/pgWelcome.php


Pequeno-almoço do dia sem sair de casa

Rita Eismann trocou em meados do ano passado o emprego numa imobiliária pela Sabores da Manhã, levando para o terreno uma ideia que o marido há muito amadurecia. Começou com pão, leite e jornais, hoje também vende bolos e já tem planos para mais ofertas. Há menos de um ano no mercado ainda está a dar estrutura ao negócio, mas garante que "os clientes já angariados se mostram satisfeitos pelo facto do serviço ser muito prático e não obrigar a sair de casa". Para lançar o negócio Rita criou uma Iniciativa Local de Emprego que lhe permitiu receber 40 por cento do valor do investimento necessário a fundo perdido.

Uma carrinha, um escritório, uma página de Internet e uma pessoa para fazer as entregas são os ingredientes do negócio, que tem numa logística optimizada um factor central de sucesso ou não começassem as entregas ainda de madrugada. Começam às 6 horas e prolongam-se até às 11 da manhã.
O pão e os jornais, diários ou semanais lideram as preferências dos clientes.

Como funciona?

Os produtos comercializados têm o preço de mercado a que é adicionada uma taxa mensal para pagar a entrega ao domicílio de 25 euros. A oferta da Sabores da Manhã cobre o concelho de Cascais.



A fórmula do negócio é simples, bem como a própria estrutura. Tem um local para receber e preparar os legumes e as frutas que comercializa e uma carrinha para fazer a distribuição dos bens, que seguem frescos para o cliente num dia fixo da semana. Quando entrega os pedidos deixa com o cliente algumas receitas que ajudam a multiplicar as formas de os confeccionar.

A empreendedora viu o negócio crescer tão depressa que só quando se aproximou da meia centena de clientes parou para registar uma marca e criar uma página de Internet, que hoje ajuda a chamar novos clientes e a divulgar a oferta, embora com pouca expressão. Nas fichas de cliente que guarda de cada comprador dos seus produtos são muitas mais as referências daqueles que chegam porque alguém da família já usava a Horta à Porta.

Tal como no caso de Rita, o porta a porta surgiu na vida de Cristina como uma saída para uma situação de emprego pouco estável. Ambas recorreram a apoios do Instituto de Emprego e Formação Profissional para avançar com os respectivos projectos e criar duas interpretações de negócios tradicionais que renascem adaptadas aos novos tempos. No caso da Sabores da Manhã, pela forte componente online do negócio. No caso da Horta à Porta pela preocupação em entregar apenas ao cliente produtos de agricultura biológica certificados de acordo com normas que adoptam princípios internacionais.

Mas o porta a porta do segundo milénio não se faz apenas da recuperação de modelos de negócio tradicionais com um novo embrulho, como atestam vários projectos. A Maleta Vermelha é um deles. O conceito é espanhol e chegou ao mercado português em Setembro de 2007.

Alexandra Leal foi a primeira mulher portuguesa a carregar a Maleta Vermelha cheia de produtos eróticos e ajudou a dar uma nova dimensão ao conceito de reuniões da Tupperware. A lógica de divulgação e venda dos produtos é a mesma que usava a marca de caixinhas em plástico, o público também não difere muito, a proposta comercial é que é diferente.






"A Maleta Vermelha veio ajudar a afirmar e desmistificar o tema da sexualidade"

Alexandra Leal, directora-geral da Maleta Vermelha em Portugal

Site
http://www.lamaletaroja.com/pt_PT/


Tubo de ensaio para um negócio invulgar

Uma mulher e uma mala vermelha cheia de artigos são os ingredientes necessários para fazer avançar o negócio da empresa espanhola que se instalou em Portugal há cerca de dois anos e meio. Portugal foi escolhido como uma espécie de tubo de ensaio para experimentar o conceito fora do país de origem e perceber o potencial de internacionalização. Confirmou-se, e hoje A Maleta Vermelha já passou as fronteiras da Península Ibérica. Alexandra Leal foi quem lançou o projecto em Portugal, muito numa lógica de "afirmar e desmistificar o tema da sexualidade".

Um posicionamento diferente do adoptado para Espanha, que acolheu os produtos eróticos da empresa como mais uma oferta lúdica.

A empreendedora diz que as barreiras iniciais foram facilmente vencidas e sublinha o facto da empresa estar hoje em todo o continente em ilhas, embora admite que a adesão à Maleta é mais fácil nos centros urbanos do litoral.

Como funciona?
As reuniões ao domicílio são a principal forma de divulgar a maleta tipo de 30 produtos preparada para o mercado português com sugestões a preços que variam dos 3 aos 54 euros. Esta forma de contacto com as clientes é complementada com a presença em feiras, presenças em eventos de empresas e pelo site, que fornece informação e vende os produtos da empresa.



Embora não existisse outra oferta com estas características no mercado português na altura em que a Maleta Vermelha chegou a Portugal, o que - como sublinha Alexandra - deu ao projecto um papel importante no combate ao desconhecimento em relação à sexualidade, o caminho fez-se rapidamente e não foi difícil fazer crescer o negócio. Hoje são cerca de 60 as assessoras que mensalmente carregam a mala vermelha para uma média de mil reuniões em todo o país, incluindo ilhas.

O sucesso estará relacionado com a possibilidade que a empresa criou de tratar entre amigas de um tema ainda com alguns tabus, garantindo privacidade e cativando para este mercado um público que, na sua maioria, provavelmente não se tornaria cliente de uma loja convencional de artigos eróticos.
Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias