Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Finanças aguarda requerimento de crédito fiscal da ONI Way

As Finanças ainda não receberam qualquer requerimento relativo ao crédito fiscal necessário ao eventual fecho da ONI Way e que condiciona a oferta dos três operadores para evitar a sua entrada no mercado, revelou Vasco Valdez.

Negócios negocios@negocios.pt 19 de Novembro de 2002 às 13:26
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O Ministério das Finanças ainda não recebeu o requerimento relativo ao crédito fiscal necessário ao eventual fecho da ONI Way e que constitui um dos pontos-chave para a avaliação do montante que os operadores pagarão para a saída daquela empresa do mercado, revelou ao Negocios.pt Vasco Valdez, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu ao Negocios.pt, à margem do II Congresso de Direito Fiscal, que «ainda não recebi qualquer requerimento quanto à operação da Oni Way, para dar parecer sobre o crédito fiscal».

Os três operadores móveis nacionais acordaram na compra dos activos da ONI Way à Electricidade de Portugal (EDP) [EDP] por 180 milhões de euros, estando ainda a finalizar todos os contornos do acordo. Um dos principais pontos para que o acordo esteja finalizado prende-se com o apuramento do montante a receber do Ministério das Finanças relativo ao crédito fiscal.

Em causa está o facto dos accionistas não poderem deduzir as menos-valias de uma empresa liquidada, que tenha sido criada há menos de três anos, como é o caso da ONI Way.

No entanto, «o processo vai continuar parado enquanto não houver requerimento», explicou ao Negocios.pt aquele governante, salientando que «nem sequer foram estabelecidos quaisquer contactos (entre as Finanças) com os operadores que, pelos vistos, não estão muito interessados em avançar com a operação».

As acções da EDP seguiam inalteradas nos 1,67 euros.

Por Tânia Ferreira

Outras Notícias