Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

IBM enfrenta acusações de suborno na Coreia do Sul

A IBM poderá ficar afastada de concorrer a encomendas governamentais no valor de 300 milhões de dólares (236,33 milhões de euros) na Coreia do Sul, já que se encontra a ser investigada por alegadas acusações de suborno.

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 07 de Janeiro de 2004 às 14:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A fabricante de computadores International Business Machines (IBM) poderá ficar afastada de concorrer a encomendas governamentais no valor de 300 milhões de dólares (236,33 milhões de euros) na Coreia do Sul, já que se encontra a ser investigada por alegadas acusações de suborno.

As autoridades sul-coreanas responsáveis pela investigação afirmaram na segunda-feira passada que a IBM Korea, uma das unidades do grupo norte-americano IBM, é uma das 15 companhias e 33 indivíduos que compõem uma lista de entidades que serão acusadas de suborno e conluio envolvendo contratos do Governo para o fornecimento de equipamento informático.

Sob a lei sul-coreana, os ministros e agências estatais podem impedir uma companhia de concorrer a contratos com o governo por um período máximo de dois anos, caso seja confirmado que a mesma tenha estado envolvida em actividades ilícitas, de acordo com declarações de Jeong Jae Chan, director-geral da Comissão de Comércio da Coreia do Sul à Bloomberg.

O governo sul –coreano adquiriu cerca de 340 mil milhões de won (230 milhõesde euros) de «servers» em 2002 e 2003. O mercado daquele país, nesse tipo de produto, está avaliado em mil milhões de dólares (787,77 milhões de euros), por ano.

A eventual exclusão da IBM do universo de fornecedores do Estado sul-coreano poderá igualmente abrir o mercado aos seus principais concorrentes, como a Hewlett-Packard e a Sun Microsystems.

Com 2.420 trabalhadores, a IBM Korea registou vendas no valor de 1.400 mil milhões de won (928,99 mil milhões de euros) em 2002.

Na Coreia, a IBM é responsável pelo fornecimento de dois quintos do mercado de computadores utilizados para correr ‘intranets’ e redes empresariais internas.

Outras Notícias