Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Não vamos aumentar o valor da oferta sobre a Yahoo!"

Steven Ballmer garantiu que a Microsoft não vai aumentar o valor da oferta sobre a Yahoo!. "Estamos preparados para seguir em frente sem esta fusão", disse o presidente executivo da Microsoft esta manhã em Milão. A Yahoo! só tem mais quatro dias para anal

Ana Luísa Marques anamarques@negocios.pt 23 de Abril de 2008 às 12:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Steven Ballmer garantiu que a Microsoft não vai aumentar o valor da oferta sobre a Yahoo!. "Estamos preparados para seguir em frente sem esta fusão", disse o presidente executivo da Microsoft esta manhã em Milão. A Yahoo! só tem mais quatro dias para analisar a oferta de 44,6 mil milhões de dólares.

"Estamos a oferecer muito dinheiro. Se os accionistas da Yahoo! gostarem, óptimo. Caso contrário, estamos preparados para seguir em frente sem esta fusão", garantiu Ballmer numa conferência que teve lugar em Milão.

No passado mês de Janeiro, a Microsoft lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) não solicitada sobre a Yahoo!. A administração rejeitou a oferta por a considerar demasiado baixa e a Microsoft ripostou dizendo que iria dirigir a oferta directamente aos accionistas.

Quase quatro meses passados, a Microsoft afirma que não pretende subir o valor que está a oferecer pela Yahoo!. E em todo de desafio, Ballmer garante que a sua empresa pode continuar sem esta fusão.

O objectivo deste negócio é conseguir ultrapassar a rival Google, que continua liderar o mercado de pesquisas e de publicidade na Internet.

Questionado se uma OPA sobre a Google faz parte dos planos da Microsoft, Ballmer garantiu que não, não só, por ser demasiado cara mas também por questões de regulação.

Ontem, a Yahoo! anunciou que, pela primeira vez em mais de dois anos, os lucros trimestrais subiram nos primeiros três meses do ano. Ainda assim as acções da empresa caíram já que o crescimento não foi tão forte como o esperado pelo mercado. Os títulos da Yahoo! já subiram mais de 23% desde o início do ano.

Já as acções da Microsoft acumulam uma perda anual de 15%.

Outras Notícias