Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

O wi-fi em Lisboa ganha a Dublin por cinco razões

A capital portuguesa vai receber 40 mil participantes neste evento no próximo ano. Saiba quais as principais razões da mudança do maior evento de start-ups do mundo para Lisboa.

Miguel Baltazar/Negócios
André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 23 de Setembro de 2015 às 21:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...

Lisboa vai ser a nova morada da Web Summit nos próximos três anos. E, na hora de escolher, cinco razões tiveram grande peso na escolha da capital portuguesa.

A primeira razão são as infra-estruturas. O evento passou dos 500 participantes para os 30 mil em cinco anos e Dublin é muito pequena para receber tantas pessoas.

"Este evento tem crescido para além de todas as nossas expectativas e queremos que continue a crescer", disse o presidente-executivo da Web Summit esta quarta-feira, 23 de Setembro, na apresentação do evento. "Escolhemos Lisboa por causa das boas infra-estruturas e os incríveis locais que acolherão o evento".

A Meo Arena e a FIL - Feira Internacional de Lisboa foram os locais escolhidos para receber o evento. "As infraestruturas são de uma capacidade e de uma modernidade fora do comum e vão potenciar a Web Summit", destacou, por seu turno, o secretário de Estado adjunto da Economia.

Leonardo Mathias também destacou a oferta hoteleira da capital. "Os equipamentos existentes na cidade de Lisboa podem vir a albergar 30 mil, 40 mil e 50 mil pessoas".


A segunda razão é a qualidade da internet em Lisboa. Na edição de 2014 da Web Summit em Dublin, a internet veio abaixo. Os 22 mil participantes do evento tecnológico ficaram sem conseguir aceder à rede global. "Isto é incrivelmente decepcionante", disse então Paddy Cosgrave, citado pelo Irish Times.

A qualidade do wi-fi foi assim um ponto essencial para Lisboa ser escolhida. "A capacidade para as redes de wi-fi da Meo Arena e da FIL igualam ou são superiores a qualquer outra capital europeia", garantiu Leonardo Mathias.

Para que as falhas não se repitam, parte do investimento público vai servir para a "modernização dos sistemas de infra-estruturas de wi-fi", afirmou o secretário de Estado. 

A terceira razão, o apoio das entidades oficiais. "Foi fantástica a forma como lidámos com as instituições oficiais", elogiou o presidente-executivo da Web Summit. 

O evento vai contar com 3,9 milhões de euros de apoio para as três edições do evento, 1,3 milhões por ano, repartidos pelo Turismo de Portugal, Turismo de Lisboa (ATL) e AICEP (Agência de Investimento de Portugal).

Além do investimento nas redes de internet, o dinheiro vai também servir de incentivo aos "média internacionais para voarem e estarem em Lisboa e para ajudar as empresas menores a estarem presentes", explicou Leonardo Mathias.

A quarta razão para a Web Summit estar em Lisboa: os portugueses mexeram-se. Maria Almeida criou há vários meses um movimento online para atrair o evento a Portugal e resultou.

O "Let's bring the Web Summit 2016 to Lisbon" conseguiu atrair a atenção do fundador do evento. "A quantidade de emails, mensagens no Twitter e no Facebook que recebi de Lisboa… isso não aconteceu nas outras cidades", reconheceu Paddy Cosgrave. "E quando alguém está a tentar tomar uma grande decisão, essas pequenas coisas têm um grande impacto na decisão final".

A quinta razão é a comunidade start-up existente em Lisboa. "Escolhemos Lisboa por causa da crescente comunidade start-up. Estamos ansiosos por trabalhar com a comunidade empresarial de Lisboa, eles têm sido extremamente acolhedores", afirmou Paddy Cosgrave.

Ver comentários
Saber mais Web Summit Lisboa Dublin Leonardo Mathias Paddy Cosgrave Agência de Investimento de Portugal Maria Almeida economia negócios e finanças tecnologias de informação
Outras Notícias