Tecnologias Obama quer tecnológicas a partilhar ameaças de cibersegurança de forma voluntária

Obama quer tecnológicas a partilhar ameaças de cibersegurança de forma voluntária

O sector está reticente quanto à partilha de informações, sobretudo depois do caso Snowden. Obama propõe uma medida voluntária que não resolve a principal preocupação: a protecção legal em caso de processos.
Obama quer tecnológicas a partilhar ameaças de cibersegurança de forma voluntária
Bloomberg
Wilson Ledo 13 de fevereiro de 2015 às 12:38

O presidente Barack Obama vai apresentar esta sexta-feira, 13 de Fevereiro, uma nova medida para incentivar as empresas a partilhar, de forma voluntária, mais informação sobre ameaças de cibersegurança.

 

Depois do mais recente caso de ataque à Sony, o executivo norte-americano quer tornar menos burocráticos os fluxos de informação entre as empresas e o Governo, bem como entre as próprias companhias. O objectivo é permitir que o Departamento de Segurança Interna do país possa melhorar a sua acção face a novas ameaças.

 

A medida vai ser apresentada durante uma conferência na Universidade de Stanford. O evento não irá contar com os líderes do Facebook, Yahoo e Google, que se farão representar por especialistas na área. A Apple deverá levar ao local o CEO Tim Cooks, avançam as agências internacionais.

 

Ainda assim, esta proposta de Barack Obama não vai resolver o principal receio das tecnológicas: o serem processados por clientes por partilharem dados confidenciais. O envio de informações de cibersegurança ao Estado é vista com cautelas, sobretudo depois das revelações sobre a NSA (Agência Nacional de Segurança) feitas pelo ex-consultor Edward Snowden em 2013.

 

O Congresso tem debatido vários projectos de lei nos últimos anos no que respeita à protecção da responsabilidade das empresas neste caso. Até ao momento, nenhuma dessas propostas foi aprovada.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI