Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Vodafone Telecel quer crescimento do EBITDA de duplo dígito no presente ano fiscal (act)

O «cash flow» operacional da Vodafone Telecel cresceu 10% no ano fiscal de 2002 que terminou em Março, disse, em Sintra, o presidente António Carrapatoso, que estima manter o crescimento operacional na ordem de duplo dígito.

Bárbara Leite 03 de Junho de 2003 às 18:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
(Carrapatoso esclarece que quando se refere ao ano passado queria referir-se ao 2001; corrige «lead» e actualiza título) O «cash flow» operacional, ou EBITDA, da Vodafone Telecel cresceu 10% no ano fiscal de 2002 que terminou em Março, disse, em Sintra, o presidente António Carrapatoso, que estima manter o crescimento operacional na ordem de duplo dígito.

«No ano passado (até Março de 2001), o EBITDA cresceu 14% ou à volta disso e, este ano (até Março de 2003) também queremos continuar com crescimentos significativos», revelou Carrapatoso, presidente da Vodafone Telecel, no Palácio da Pena, à margem da assinatura do protocolo para prestação de informação técnica das radiações das antenas das comunicações móveis.

Para o presente ano fiscal, que iniciou em Abril e encerra no final do primeiro trimestre de 2004, a Vodafone Telecel [TLE] «vai procurar atingir níveis de crescimento de duplo dígito, prevendo que haja um abrandamento face ao ano fiscal de 2002», acrescentou Carrapatoso.

A segunda maior operadora móvel nacional alcançou, até Março, 3,085 milhões de clientes, ultrapassando a meta interna de crescimento.

Vodafone admite impacto de abrandamento económico nas receitas

Carrapatoso - presidente da operadora que deixou de estar cotada em Bolsa no mês passado, depois da britânica Vodafone passar a deter quase a totalidade do seu capital - entende que a indústria dos telemóveis é «uma das menos afectadas» pelo abrandamento do consumo.

Todavia, o responsável admite que a depressão económica «possa ter algum impacto nas nossas receitas».

Falar ao telemóvel é considerado pelos portugueses «como um bem de quase primeira necessidade e as empresas também vêem a telefonia móvel como algo importante para a sua produtividade», explicou a mesma fonte.

Outras Notícias