Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Aumento de capital da Oi avança sem contestações à Autoridade da Concorrência do Brasil

A operadora brasileira de telecomunicações anunciou não ter havido manifestações contrárias ao deferimento, pelo CADE, da realização do aumento de capital.

Reuters
Carla Pedro cpedro@negocios.pt 05 de Julho de 2018 às 23:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

A Oi anunciou que, não tendo havido manifestações contrárias ao deferimento do seu aumento de capital por parte do Conselho Administrativo de Defesa Económica (CADE, que corresponde à Autoridade da Concorrência), está confirmada a decisão, tendo o processo sido concluído e arquivado.

 

No passado dia 19 de Junho, a Oi anunciou que o CADE tinha deferido o seu pedido – "pelo não conhecimento da operação de aumento de capital da companhia na forma que está prevista no plano de recuperação judicial" – já aprovado pelos credores e homologado pela Justiça.

 

Nessa altura, a operadora brasileira referiu que seria ainda necessário "aguardar até ao dia 4 de Julho de 2018 para o encerramento do processo no CADE". "Após essa data, não tendo havido manifestações contrárias, a decisão do CADE restará plenamente confirmada", acrescentava.

 

Esta quinta-feira, 5 de Julho, em novo comunicado ao regulador brasileiro da bolsa (CVM), a Oi informa que "tomou ciência do transcurso em branco do prazo cabível para apresentação de manifestações contrárias ao despacho do CADE que deferiu o pedido da Oi pelo não conhecimento da operação de aumento de capital da companhia".

 

"Dessa forma, com a plena confirmação da referida decisão, o processo no CADE foi concluído e arquivado, encontrando-se devidamente verificadas ou dispensadas todas as condições precedentes estabelecidas no plano para a realização do aumento de capital", acrescenta.

 

Antes do CADE, já o conselho director da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tinha concedido à Oi, a 14 de Junho, "anuência prévia para a operadora realizar o aumento de capital previsto no seu plano de recuperação judicial", na ordem dos quatro mil milhões de reais (mais de mil milhões de euros).

 

A operadora brasileira – da qual a Pharol é accionista, através da Bratel – pretende apresentar em Setembro ao mercado o projecto da operação de aumento de capital, apurou recentemente a Valor Económico. A expectativa da companhia é de que a capitalização ocorra ainda em 2018 – antes, portanto, do prazo final estipulado no plano de recuperação, que termina em Fevereiro do próximo ano.

 

Numa primeira etapa, anterior ao aumento de capital, está prevista a conversão de dívida em acções, operação crucial para reduzir o endividamento da operadora, recordou a mesma fonte.

 

A conversão de créditos em capital vai levar à diluição da posição dos actuais accionistas.

 

 

Ver comentários
Saber mais Oi Conselho Administrativo de Defesa Económica CADE Anatel Agência Nacional de Telecomunicações Autoridade da Concorrência Justiça Pharol Bratel
Mais lidas
Outras Notícias