Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CMVM insatisfeita com informação da PT SGPS

A CMVM diz que a informação prestada pela PT SGPS não é suficiente. E coloca muitas dúvidas relacionadas com a assembleia-geral de 22 de Janeiro.

Alexandra Machado amachado@negocios.pt 20 de Janeiro de 2015 às 17:32
  • Assine já 1€/1 mês
  • 16
  • ...

A CMVM, em carta enviada ao presidente da mesa da assembleia-geral da PT SGPS que divulgou, dá um murro na mesa em relação à reunião de quinta-feira, assumindo que há ainda muitas informações para revelar por parte da empresa.

 

São essas informações que a CMVM elenca nessa carta e estão relacionadas não apenas com o relatório de auditoria da PricewaterhouseCoopers, como também com a dúvida sobre a possível reversão do negócio com a Oi e consequência para o assunto em discussão na assembleia: a venda da PT portugal à Altice.

 

"Após a análise da informação divulgada, a CMVM vem transmitir que no seu entender há aspectos ainda a carecer de clarificação", esclarece a CMVM.

 

Assim, em relação ao relatório de auditoria da PwC e às aplicações financeiras no Grupo Espírito Santo, a CMVM assume, tal como a PwC o fez, que a análise "conheceu limitações relevantes". Tal como José Alves, presidente da PwC, acabou de dizer na comissão de inquérito, foi solicitado à PwC que retirasse do relatório juízos jurídicos sobre a actuação dos órgãos sociais. Acresce a isto o atraso nos trabalhos e a não inclusão do conhecimento por parte da Oi das aplicações na Rioforte, com excepção do conhecimento que tinha Zeinal Bava, à data presidente da Oi e da PT Portugal.

 

"Sobre estas matérias existem, porém, diversos elementos adicionais cuja análise será necessário aprofundar e dela retirar as devidas consequências", escreve a CMVM. Por isso à PT compete analisar de que forma as conclusões do relatório podem justificar uma renegociação do acordo com a Oi.

 

A CMVM pronuncia-se, ainda, sobre os pareceres jurídicos que falam do incumprimento por parte da Oi do acordo, com a venda da PT Portugal. Há pareceres que falam de incumprimento e, como tal, na possibilidade de reversão do negócios; há outros que dizem não ser possível reverter o aumento de capital da Oi. 

 

Para a CMVM "pelas circunstâncias e tempo em que foram produzidos não pode considerar-se que correspondam ao necessário estudo aprofundado (jurídico e económico) das alternativas que deverão ser avaliadas pelos accionistas da PT SGPS". Só a administração da PT poderá informar sobre as condições em que a Oi soube da aplicação Rioforte e o impacto disso na renegociação do acordo; informar sobre as consequências de não haver permuta de acções por chumbo do supervisor brasileiro; e revelar o impacto da alteração eventual do acordo na venda da PT Portugal, "considerando que com a sua transferência para a esfera de um terceiro ficará comprometida qualquer modificação que a possa ter como objecto".

 

Finalmente, a CMVM ainda fala em falta de informação sobre o próprio acordo da Altice com a Oi, nomeadamente sobre a transferência de passivos da PT Portugal para a Oi, mesmo que seja vendida à Altice. Por isso, a CMVM acredita que cabe à administração "explicitar em que medida a aprovação da proposta que submete à assembleia-geral permite salvaguardar os interesses e as garantias dos credores da PT Portugal, entre os quais se contam investidores de retalho, investidores profissionais, alguns também accionistas da PT SGPS".

 

(Notícia actualizada às 17h40 com mais informações)

Ver comentários
Saber mais CMVM pt sgps assembleia-geral
Outras Notícias