Aviação DHL Express investe 40 milhões em novo terminal em Lisboa

DHL Express investe 40 milhões em novo terminal em Lisboa

É uma ambição que tem uns anos. A DHL Express chegou, finalmente, a acordo com a ANA para a construção de um novo terminal no aeroporto de Lisboa.
DHL Express investe 40 milhões em novo terminal em Lisboa
Francisco Pita e Thierry Ligonnière, da ANA, e José António Reis e João Coutinho da Costa da DHL Express assinam acordo.
Alexandra Machado 11 de outubro de 2018 às 15:31

A DHL Express já garantiu o acordo com a ANA - Aeroportos de Portugal para construir um novo terminal de carga expresso em Lisboa, anunciou a empresa de correio expresso internacional.

Em comunicado, a DHL Express garante que o terminal vai começar a ser construído – num terreno com 21.700 metros quadrados para uma área edificada de 11.400 metros quadrados – no início de 2019, devendo ficar concluído 
no segundo trimestre de 2020.

O investimento será de 40 milhões de euros. A DHL Express estima que o novo terminal no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, "vai permitir quadruplicar a actual capacidade de processamento do terminal de Lisboa para 6.500 peças por hora", permitindo o equipamento que será instalado e a localização "aumentar a rapidez do processamento, reduzir a complexidade das actividades, aumentar a segurança no manuseamento das encomendas e melhorar a qualidade do serviço prestado aos clientes do centro e sul do país", acrescenta ainda a empresa de correio expresso.

A DHL Express vai, no âmbito deste projecto, contratar novos trabalhadores, crescendo a sua base entre os 5 e 10%, não revelando os números. 

José António Reis, director-geral da DHL Express, citado no comunicado, realça o investimento em Portugal: 

"Após os excelentes resultados obtidos no Terminal de Carga Expresso DHL do Porto, a funcionar há seis anos, o investimento no novo Terminal de Lisboa confirma que o Grupo continua a apostar e a investir de forma estruturante no nosso país". Há anos que a DHL Express queria avançar com este terminal, mas as negociações arrastaram-se. Aliás, em entrevista ao Económico, José António Reis, que passou a director-geral da DHL Express este ano, tinha assumido como prioritário no seu mandato a construção desta infra-estrutura.

Lisboa junta-se assim a uma rede de centros de trânsito de cargas da DHL, a pensar em particular no Norte de África, Angola e Moçambique. 

A DHL conta com três "hubs" a nível mundial: Cincinnati (EUA), Leipzig (Alemanha) e Hong Kong (Ásia). Além de Leipzig, a empresa dispõe de uma rede de centros de dimensão média: Bruxelas, Londres, Copenhaga, Vitoria (no País Basco) e Madrid.