Aviação O futuro e os negócios no maior festival aéreo do mundo

O futuro e os negócios no maior festival aéreo do mundo

O Farnborough International Airshow 2018, o maior festival aéreo do mundo, fica marcado pela apresentação de projectos futuristas, em particular carros desportivos voadores e táxis aéreos.
reuters reuters EPA reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA EPA
Negócios 21 de julho de 2018 às 12:00

O Farnborough International Airshow 2018, o maior festival aéreo do mundo, fica marcado pela apresentação de projectos futuristas, em particular carros desportivos voadores e táxis aéreos. Mas o certame revelou-se também um sucesso para os gigantes da aeronáutica Boeing e Airbus e também para a brasileira Embraer.

A Boeing indicou ter garantido encomendas e memorandos de entendimento para a venda de 673 aeronaves, com destaque para o 737 Max.

Já a Airbus revelou que termina o festival com encomendas e memorandos num total de 431 aviões. Deste total, a maior fatia pertence à família A320, com 304 aparelhos encomendados ou comprometidos. O fabricante europeu assegurou ainda a venda de 25 aeronaves A350 e firmou um memorando para a venda de 60 A220-300 a uma nova companhia aérea de um grupo liderado por David Neeleman, accionista da TAP e fundador da JetBlue. Já o A380, o maior avião do mundo, não registou qualquer encomenda.

A Embraer conseguiu encomendas para 300 aparelhos, destacando-se na carteira de clientes as norte-americanas Republic Airlines e United, a brasileira Azul e a suíça Helvetic Airways. Os modelos mais encomendados foram o E175 e o E195-E2.

O segmento de aviões de carga registou uma forte recuperação, assinalou a Boeing, enquanto a procura de aeronaves de passageiros permaneceu forte.




pub