Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rui Rio: “A TAP não pode continuar a ser um sorvedouro de dinheiros públicos”

Em entrevista à RTP3, o social-democrata falou ainda sobre a venda do Banif, defendendo que é preciso apurar responsabilidades pelas “coisas más” que aconteceram.

Miguel Baltazar/Negócios
Negócios jng@negocios.pt 11 de Fevereiro de 2016 às 11:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

O social-democrata Rui Rio defendeu esta quarta-feira, 10 de Fevereiro, que a companhia aérea TAP "não pode continuar a ser um sorvedouro de dinheiros públicos".

"Nem pode continuar a acumular prejuízos e greves porque isso é uma afronta ao contribuinte", acrescentou numa entrevista à RTP3.

O antigo presidente da Câmara do Porto referiu que o Estado – agora que detém metade da companhia, após o acordo com o consórcio Atlantic Gateway de Humberto Pedroso e David Neeleman – deve passar a ter uma definição estratégica da empresa.


"E a estratégia da TAP, em termos de serviço público, não pode ser nunca abandonar ou tornar pequenino o aeroporto Sá Carneiro. Isso eu considero inadmissível", acrescentou fazendo alusão ao desinvestimento da companhia no Porto.


O mesmo está a provocar uma guerra aberta entre o actual presidente da câmara da Invicta, Rui Moreira, e a TAP. O autarca já exigiu ao Governo que volte atrás na intenção de cancelar quatro rotas entre o Porto e outras cidades europeias e alertou para a intenção da companhia em suprimir "discretamente" o voo nocturno entre Lisboa e Porto.

A TAP já respondeu com os horários da ponte aérea criada entre as duas cidades.

caso banif Rio quer responsabilidades apuradas

Na mesma entrevista à RTP 3, Rui Rio apontou para a necessidade de se esclarecer e apurar responsabilidades pelas "coisas más" que aconteceram no Banif.

O social-democrata diz não entender o que se passou com o banco, que em Setembro apresentava uma situação líquida positiva de 675 milhões de euros.


"Se estas contas não estão bem. Se este activo não tem este valor, mas tem menos, é porque está sobreavaliado. É porque os auditores auditaram não estas contas mas as de Junho, que são praticamente iguais, ou o Banco de Portugal, que acompanhava isto, estava a aceitar aquilo que sabia que estava mal", reforçou, apontando o dedo ao Ministério das Finanças e ao Banco de Portugal.


O ex-autarca recordou que o banco "foi desmantelado, vendido às peças, sem qualquer espécie de concurso público" ao Santander e que tal decisão, tomada num fim-de-semana, vai custar aos contribuintes 2,2 mil milhões de euros.

Ver comentários
Saber mais Rui Rio TAP David Neeleman Governo Ministério das Finanças Banco de Portugal Santander política
Mais lidas
Outras Notícias