Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Adfersit diz que propostas do plano das infra-estruturas são “decepcionantes”

O presidente da associação, Mário Lopes, diz que há vários “erros estratégicos” no plano para a infra-estruturas prioritárias

Miguel Baltazar/Negócios
Alexandra Noronha anoronha@negocios.pt 25 de Março de 2014 às 17:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O presidente da associação Adfersit, Mário Lopes, considera a propostas do Grupo de Trabalho para os Investimentos de Elevado Valor Acrescentado (GTIEVA) “decepcionantes e em alguns casos incompreensíveis do ponto de vista estratégico”. Num documento em que fundamenta a sua posição, Mário Lopes alerta que se o actual plano for executado “aumentará de forma irreversível por muitos anos, o carácter periférico da economia portuguesa”.

 

O presidente da Adfersit alerta depois para o que considera serem “erros estratégicos”. O GTIEVA atribui prioridade “moderada” à normalização da “bitola, sinalização e sistemas de alimentação heterogéneo”. Como consequência, propõe para as ligações ferroviárias internacionais soluções de remendo”, diz Mário Lopes.

 

Paralelamente, segundo aponta o presidente da Adfersit, na ligação ferroviária Aveiro-Vilar Formoso, a proposta “consiste em enterrar dinheiro num remendo de uma linha velha, um erro semelhante à modernização da Linha do Norte, onde, no final, se terão gasto mais de dois mil milhões de euros sem resolver os graves problemas de capacidade e competitividade” da linha, critica.

 

O presidente da Adfersit critica depois a ligação entre Sines e Badajoz e a proposta para um novo terminal de águas profundas em Lisboa. “Não se percebe que a expansão do terminal XXI e a construção do novo terminal Vasco da Gama, ambos no porto de Sines, sejam considerados projectos mutuamente exclusivos, inviabilizando o segundo”, realça Mário Lopes.

 

Além do terminal Vasco da Gama, o responsável defende que se devem “construir novas linhas ferroviárias, mistas, em via dupla e interoperáveis com as redes europeias nos itinerários Aveiro-Vilar Formoso e Vendas Novas-Caia (com extensões aos portos de Sines e Setúbal), cumprindo os acordos internacionais celebrados com a Espanha. Isto implica desenvolver imediatamente o projecto da Linha Aveiro-Vilar Formoso, para que Portugal possa beneficiar “ de fundos comunitários, explica. 

Ver comentários
Saber mais Adfersit Mário Lopes GTIEVA
Mais lidas
Outras Notícias