Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BE classifica veto do Presidente sobre transportes do Porto de "gesto de instabilização"

O veto do Presidente da República ao diploma que altera os estatutos da STCP e da Metro do Porto é "ideológico" e um "gesto de instabilização", classificou esta terça-feira o deputado do Bloco de Esquerda, José Soeiro, no Porto.

Bruno Simão
Lusa 26 de Julho de 2016 às 15:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

"Trata-se de um veto ideológico e excessivo do Presidente [Marcelo Rebelo de Sousa], que põe em causa um fundamento de um acordo que foi feito e que sustenta a actual maioria e, portanto, o Parlamento deve, obviamente, reconfirmar este diploma, mantendo a natureza pública destas empresas de transporte e concretizando um dos pontos fundamentais que sustenta a actual maioria que foi a reversão das negociatas que estavam em curso para a privatização dos transportes, nomeadamente dos transportes públicos do Porto", declarou José Soeiro, em conferência de imprensa.

 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou na segunda-feira o diploma do Parlamento que altera os estatutos da Sociedade de Transportes Públicos do Porto (STCP) e da Metro do Porto por "vedar, taxativamente, qualquer participação de entidades privadas".

 

Segundo José Soeiro, o veto de Marcelo Rebelo de Sousa é um factor de instabilização.

 

"O Presidente [da República], com este gesto, constitui-se ele próprio como um factor de instabilização relativamente a uma maioria que tem feito o seu caminho e que tem tido toda a estabilidade necessária para garantir a solução política que foi acordada", considerou José Soeiro, reiterando que as posições conjuntas dos vários partidos são "bastante claras" e "um dos fundamentos dos acordos que foram feitos à esquerda".

 

O bloquista recorda que as "posições dos partidos estão expressas num acordo que está firmado e que sustenta a actual maioria" e considera que "nenhum dos partidos porá em causa aquilo que está escrito e que é a reversão deste processo de privatização e a manutenção da natureza pública destas empresas".

 

O próximo passo sobre o veto de Marcelo Rebelo de Sousa passa agora para a esfera do Parlamento, explica o deputado.

 

"Quando o Parlamento reabrir, a menos que o Presidente da República entenda convocar um Parlamento específico para analisar a lei, pode fazê-lo (...), que será em Setembro, o Parlamento deve reapreciar o diploma e depois voltar a votá-lo em plenário da Assembleia da República, que será depois enviado para o Presidente e o Presidente terá, como é sabido, que promulgá-lo se ele for reconfirmado pela Assembleia da República".

 

O segundo veto de Marcelo Rebelo de Sousa acontece cerca de um mês e meio depois do Presidente da República se ter estreado na devolução de diplomas ao Parlamento, quando a 8 de Junho rejeitou o decreto que introduzia a possibilidade de recurso à gestação de substituição.

 

Numa outra declaração desta terça-feira sobre o assunto, o coordenador dos transportes e da mobilidade da Área Metropolitana do Porto (AMP), Marco Martins, considerou que o veto do Presidente da República à alteração dos estatutos da STCP e da Metro do Porto tem "um impacto nulo" para os cidadãos.

 

Em declarações à Lusa, Marco Martins considerou que se trata de "uma questão política entre o Presidente da República e a Assembleia da República" que "não terá efeitos práticos para os cidadãos".

Ver comentários
Saber mais Marcelo Rebelo de Sousa Parlamento Presidente da República José Soeiro Sociedade de Transportes Públicos do Porto STCP Assembleia da República Área Metropolitana do Porto política transportes
Mais lidas
Outras Notícias