Transportes Reclamações nos transportes disparam 23% no segundo semestre de 2018  

Reclamações nos transportes disparam 23% no segundo semestre de 2018  

As reclamações dos utentes dos transportes aumentaram 23%, para 10.431, no segundo semestre de 2018 face ao primeiro, atribuindo o regulador parte desta subida à "pressão" exercida sobre os operadores pelo aumento dos utentes do serviço público.
Reclamações nos transportes disparam 23% no segundo semestre de 2018   
Miguel Baltazar
Lusa 07 de junho de 2019 às 10:02

"O número de reclamações apresentou um acréscimo face ao primeiro semestre de 2018, de 23%, equivalente a mais 1.965 reclamações, o que pode dever-se a vários fatores, nomeadamente ao aumento generalizado de utentes dos serviços durante o período em análise, em especial no que respeita ao serviço público de transporte de passageiros, com a inerente pressão sobre os operadores sempre que o serviço não corresponde ao expectável", lê-se no "Relatório sobre Reclamações no Mercado da Mobilidade e dos Transportes" da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) relativo ao segundo semestre do ano passado.

 

No primeiro semestre de 2018 as reclamações dos utentes dos transportes tinham diminuído 14%, para 8.466, face aos seis meses precedentes.

 

Do total de 10.431 reclamações apresentadas e tratadas, 9.412 foram inscritas no Livro de Reclamações dos diversos operadores e prestadores de serviços do setor da mobilidade e dos transportes, tendo as restantes 1.019 outras origens.

 

Analisando o total de reclamações apresentadas numa ótica de média diária, verifica-se que no segundo semestre de 2018 foram registadas 57 reclamações por dia de calendário, mais dez do que no semestre anterior.

 

A CP, o Metropolitano de Lisboa, a Transtejo, a Rede Nacional de Expressos (RNE) e a Transportes Sul do Tejo (TST) foram as empresas que apresentaram um maior número de reclamações de julho a dezembro de 2018, com um total de 2.891, 953, 604, 509 e 416 reclamações, respetivamente.

 

As reclamações destas cinco empresas têm um peso de 52% do total das reclamações registadas na AMT.

 

As reclamações na CP aumentaram 56,3% (+1.041) face ao primeiro semestre e as no Metropolitano de Lisboa subiram 12,5%, enquanto no transporte rodoviário aumentaram as reclamações na RNE (+78%), TST (+147,6%), Vimeca Transportes -- Viação Mecânica de Carnaxide (+189,7%) e Eva Transportes (+76,5%).

 

No setor fluvial, o número total de reclamações foi de 760 no segundo semestre, verificando-se uma diminuição de 4,5% (menos 36 reclamações do que no primeiro semestre), apesar do aumento de passageiros transportados, sendo as três empresas mais reclamadas a Transtejo, a Soflusa e a Atlantic Ferries.

 

Quanto às reclamações relativas à rede nacional de autoestradas, no segundo semestre a Ascendi foi a entidade mais reclamada (com 54,5% do total e um aumento de 28,2% face ao primeiro semestre), seguindo-se a Brisa (com 20,2% do total) e a ViaLivre (com 10,6%).

 

Do universo de 17 motivos tipificados pela Direção-Geral do Consumidor, mantiveram-se constantes os três principais aspetos reclamados, representativos de 70% do total das reclamações na segunda metade do ano: 'preços/pagamento/bilheteiras', 'cumprimento defeituoso/cumprimento não conforme com o contrato/incumprimento' e 'qualidade do atendimento/atendimento deficiente nos estabelecimentos e no atendimento telefónico'.

 

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI