Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

STCP carregou mais 74% de prejuízos em 2019

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, cujos trabalhadores estão hoje em greve, fechou o último exercício com um prejuízo de 3,2 milhões de euros, uma evolução negativa de 1,4 milhões face ao ano anterior, apesar de as receitas terem aumentado 3,4% para 49,5 milhões.

STCP perde seis milhões de passageiros
Rui Neves ruineves@negocios.pt 30 de Junho de 2020 às 14:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

 

O maior operador de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto encerrou o ano de 2019 com o EBITDA recorrente positivo de 3,5 milhões de euros, o que traduz uma melhoria de 1,5 milhões em relação ao registado no ano anterior, enquanto o resultado operacional corrente, apesar de negativo em 1,2 milhões de euros, representou uma evolução positiva homóloga em 521 mil euros.

 

Apesar de tudo, a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) acabou por encerrar o exercício de 2019 com um resultado líquido negativo de 3,2 milhões de euros, mais 74% do que os prejuízos de 1,8 milhões de euros registados em 2018, de acordo com um comunicado da empresa, cuja assembleia geral aprovou, esta terça-feira, 30 de junho, as contas individuais e consolidadas da transportadora relativas ao último exercício.

 

Em termos de receita, a STCP atingiu um valor de 49,5 milhões de euros, representando assim um aumento de 3,4% face a 2018. "Esta tendência de crescimento verifica-se pelo quarto ano consecutivo", enfatiza a empresa.

 

No ano passado, a STCP transportou um total de 76,7 milhões de passageiros, o que corresponde a um crescimento de 4,5% (3,3 milhões) quando comparado com o ano anterior.

"Este crescimento explica-se essencialmente pela disponibilização das novas tarifas sociais, a partir de 1 de abril, no âmbito do Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART), que incentivaram a procura do transporte público e pelo aumento do cumprimento do serviço previsto", justifica a STCP.

 

O investimento da empresa em 2019 foi de 16,3 milhões de euros, mais 1,6 milhões do que no ano anterior, com 81% do valor a ser aplicado na aquisição de novos autocarros e 16% na construção do novo posto de abastecimento de gás natural na Estação de Recolha de Francos e a instalação de postos de carregamento de energia elétrica.

 

No âmbito do programa de renovação da sua frota, iniciado em 2018, no final do ano passado a STCP tinha rececionado 15 autocarros elétricos, a totalidade da encomenda, e 94 autocarros a gás natural, completando 109 novos autocarros (58%) do total dos 188 previstos para a primeira fase de renovação da frota de autocarros da empresa, que conta com o cofinanciamento, a título não reembolsável, do POSEUR Portugal 2020 - Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.

 

No final de 2019, a STCP tinha 1.289 trabalhadores, mais 18 (dos quais 10 motoristas e dois guarda-freios) do que um ano antes.

 

De resto, a STCP lembra que o ano de 2019 ficou marcado pela manifestação pelas partes interessadas, Estado Português, Área Metropolitana do Porto, municípios servidos pela rede de transporte da empresa - Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Valongo e Vila Nova de Gaia – e STCP, de proceder à Intermunicipalização da STCP.

 

"A concretização da expressão desta vontade verificou-se em 28 de agosto de 2019, com a celebração do memorando de entendimento sobre a intermunicipalização da STCP, e com a publicação do Decreto-Lei nº 151/2019, de 11 de outubro, que opera a intermunicipalização da STCP, entretanto adiada pelo Decreto-Lei nº 175/2019, de 27 de dezembro", ressalva o maior operador de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto.

Sindicatos garantem que não há autocarros a circular no Grande Porto

 

Os trabalhadores da STCP estão hoje em greve para reivindicar melhores condições laborais, o que levou já a empresa a alertar para eventuais perturbações no serviço.

"Os trabalhadores da STCP estão cansados de promessas e indignados com a falta de reconhecimento por parte das várias tutelas da empresa que nunca mostraram recetividade e vontade de promover uma negociação séria, indo ao encontro da mais elementar justiça social, revendo as remunerações, as carreiras profissionais e os horários, melhorando assim as condições em que trabalham os cerca de 1.200 funcionários", referiram, em comunicado, quatro estruturais sindicais.

A STCP avisou os utilizadores da "possibilidade de ocorrência de perturbações de serviço" a partir das 00:00 desta terça-feira até às 02:00 de 1 de julho.

"Não foram estabelecidos pelo Tribunal Arbitral quaisquer serviços mínimos, quer para a operação de autocarros, quer para a operação de carros elétricos, pelo que a empresa não poderá garantir o cumprimento do serviço em qualquer uma das 73 linhas da rede STCP", acrescentou.

Garantindo que houve uma adesão de 100% dos trabalhadores à greve, os sindicatos afiançam que hoje não há autocarros a circular no Grande Porto.

 

Ver comentários
Saber mais stcp autocarros part tarifas sociais
Mais lidas
Outras Notícias