Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Alojamento local com 13 mil novos registos até Outubro

São já 34 mil as unidades de alojamento local registadas em Portugal. A secretária de Estado do Turismo garante que o esforço de fiscalização dos ilegais está em marcha.

Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo wilsonledo@negocios.pt 29 de Novembro de 2016 às 16:55
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

A actividade de alojamento local em Portugal registou 13 mil novos registos entre Janeiro e Outubro de 2016. O número foi avançado esta terça-feira, 29 de Novembro, pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

 

O balanço eleva para 34 mil as unidades de alojamento local registadas em Portugal, seguindo o ritmo dos anos anteriores. A designação de alojamento local existe desde 2008, tendo sido alvo de um ajuste na sua lei em 2014.

 

"Diria que se desregulamentou demasiado", admitiu a secretária de Estado face à decisão do anterior Governo.

 

Ana Mendes Godinho reconheceu que "tem havido muitas dificuldades" por parte da ASAE em fiscalizar os estabelecimentos que se encontram em situação ilegal, em parte devido à dificuldade no cruzamento de dados.

 

Contudo, a ASAE "intensificou" a sua acção a partir do segundo semestre, tendo já sido inspeccionadas 500 unidades de alojamento local. Destas, "15% não estavam registadas", informou.

 

No encerramento da apresentação do estudo "Alojamento local – qual fenómeno?" – desenvolvido pela Associação da Hotelaria de Portugal e pela Universidade Nova de Lisboa – a responsável lembrou uma acção conjunta com as plataformas de alojamento como a Airbnb ou a Homeaway.

 

Na prática, os anunciantes em Portugal eram notificados para a necessidade do registo do seu espaço. "Na semana a seguir, os registos explodiram. Muitas vezes o que acontece é falta de informação e de noção", explicou.

 

Ana Mendes Godinho não deixou de lembrar o papel do alojamento local na requalificação urbana, recordando um estudo da AHRESP que dá conta de 10 mil imóveis requalificados devido a este actividade. Os imóveis desocupados ocupam um peso de 40%.

 

"É uma realidade incontornável, que tem procurado", afirmou. Os dados do INE relativos em 2015, que a secretária de Estado do Turismo reconheceu serem deficitários, mostram que 10% das dormidas em Portugal já se deu neste formato de alojamento.

 

Ana Mendes Godinho defendeu ainda a necessidade de se adoptarem políticas públicas no apoio ao arrendamento, para "salvaguardar outros interesses da cidade", rumo a um equilíbrio entre a população residente e turistas.

Ver comentários
Saber mais Ana Mendes Godinho secretária de Estado do Turismo Associação da Hotelaria de Portugal AHRESP alojamento local
Mais lidas
Outras Notícias