Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Faturação da restauração já está a 91% dos valores pré-covid

No passado sábado, 6 de junho, a faturação do setor da restauração situou-se em 91% do nível observado antes da pandemia da covid-19, refere estudo. Também outros setores têm vindo a recuperar ao longo das cinco semanas de desconfinamento.

José Sena Goulão
Pedro Curvelo pedrocurvelo@negocios.pt 12 de Junho de 2020 às 12:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...
A restauração registou no passado sábado, 6 de junho, uma faturação apenas 9% abaixo dos valores observados antes do início da pandemia da covid-19 em Portugal, indica um relatório da Reduniq, rede de aceitação de cartões de débito e crédito, divulgado esta sexta-feira.

O documento assinala que nesse dia o número de transações cifrou-se em 81% do registado pré-covid e que o valor médio por operação se situou em 21,19 euros.

A análise da Reduniq mostra que os picos na restauração são mais evidentes nos fins-de-semana, tendo os anteriores máximos sido observados no sábado, 30 de maio, e domingo, 31 de maio, quando a faturação atingiu os 82% e 80%, respetivamente, face ao valor médio registado na semana de 1 a 7 de março.

O estudo indica também que são já 86% os estabelecimentos de restauração a faturar, com um valor médio semanal de 1.368 euros por ponto de venda.

Recuperação em todos os setores
A Reduniq nota que, na última semana, 85% dos estabelecimentos comerciais já se encontravam a faturar, mais 10 pontos percentuais do que na semana anterior.


O estudo destaca também o forte crescimento no segmento de cosmética e perfumes, que faturava 20 a 25% dos valores pré-pandemia durante as quatro primeiras semanas de desconfinamento, eque disparou para 63% da faturação observada na semana de 1 a 7 de março.

Na moda, a faturação acelerou na semana passada para 85% dos níveis pré-covid.


Lisboa com recuperação mais lenta
O estudo revela ainda que a recuperação da faturação varia consoante as regiões, sendo que Beja, Portalegre e Santarém encontram-se já 14%, 13% e 10%, respetivamente, acima dos níveis anteriores à pandemia.

Já os Açores, Madeira, Faro e Lisboa ainda se mantêm abaixo dos 90% face à faturação da primeira semana de março.

A Reduniq assinala que a recuperação é mais lenta nas regiões onde o turismo tem maior peso. E, no caso de Lisboa, há também o facto de existirem muitas empresas de serviço, cujos colaboradores se mantêm em teletrabalho, o que penaliza a faturação de áreas como a restauração. Acresce que os centros comerciais da Grande Lisboa continuam encerrados, ao contrário do que sucede no resto do país.

Desta forma, a faturação global dos negócios no concelho de Lisboa ainda se encontra nos 54% face à primeira semana de março e no Porto o valor cifra-se em 69%.

Em Lisboa, a maior penalização vem da ausência de turismo, cuja faturação está nos 23% face à primeira semana de março, mas também as vendas nacionais estão abaixo do nível anterior à pandemia, situando-se nos 84%.

No distrito do Porto este efeito é mais ligeiro, com a faturação nacional já ligeiramente acima dos níveis pré-covid (101%), enquanto as vendas a estrangeiros ainda se encontra nos 28%.

Ver comentários
Saber mais Faturação Portugal Reduniq Grande Lisboa Porto turismo restauração covid
Mais lidas
Outras Notícias