Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

José Theotónio: "Portugal não tem um ambiente tão favorável para os investidores internacionais"

O maior grupo hoteleiro português está focado na expansão internacional mas não esquece a aposta no país onde surgiu. Para o CEO do grupo Pestana, o maior problema está mesmo nos custos de contexto dentro de fronteiras.

Bruno Simão
Wilson Ledo wilsonledo@negocios.pt 26 de Outubro de 2015 às 17:42
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

São os chamados custos de contexto a ditar uma operação mais cara dentro de fronteiras. Quem o garante é José Theotónio, CEO do grupo Pestana.

 

"Portugal não tem assim um ambiente tão favorável para os investidores internacionais", afirmou esta segunda-feira, 26 de Outubro, durante o 27º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo a decorrer em Évora.

 

Apesar disso, o maior grupo hoteleiro português mantém Portugal como uma geografia privilegiada no seu negócio. Em 2015, por exemplo, desenvolveu três novas unidades no Algarve, Lisboa e Porto.

 

"Portugal tem já alguns destinos turísticos reconhecidos internacionalmente e outros que estão a começar a fazer o seu percurso. Ainda não estão na indústria, estão no artesanato", posicionou o gestor.

 

Por isso mesmo, o grupo Pestana está a "investir em oferta complementar", sobretudo em Lisboa e direccionado para um segmento mais elevado. A intenção é alargar a gama de produtos disponíveis, "modernizar a nossa oferta", para assim chegar a outro tipo de público.

 

José Theotónio recorda que a empresa criada por Dionísio Pestana teve de colocar em suspenso vários projectos aquando da entrada da troika em Portugal. "Em 2009, todos os investimentos que estavam a meio conseguimos acabar. Mas não iniciamos nenhum", recordou. A retoma dos projectos só chegou em 2013.

 

Em Setembro, durante um encontro com jornalistas, o grupo hoteleiro anunciou um investimento anual entre 35 e 45 milhões de euros até 2019. A aposta deverá assim atingir os 180 milhões de euros.

 

Já quanto a gerir unidades de terceiros, mantém-se a posição tomada até agora: não é prioridade, mas pode ser estratégia. "Só nos interessa se houver realmente sinergias grandes", afirmou José Theotónio.

 

Ver comentários
Saber mais José Theotónio grupo Pestana 27º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo Dionísio Pestana
Mais lidas
Outras Notícias