Turismo & Lazer Lisboa sobe ao 6.º lugar no ranking mundial de congressos associativos

Lisboa sobe ao 6.º lugar no ranking mundial de congressos associativos

Concentrando metade dos eventos internacionais no país, que está fora do "top 10", a capital ultrapassou Londres, Singapura e Praga na lista dos destinos mais desejados. Veja a classificação das outras cidades portuguesas.
reuters PJACKY NAEGELEN Peter Nicholls Bartek Sadowski MARCOS BRINDICCI Lee Jae Won Reuters Pedro Ferreira Bruno Mateus
António Larguesa 13 de maio de 2019 às 12:21

Portugal mantém o 11.º lugar no ranking anual que serve de referência para listar os destinos mais procurados para a realização de congressos, conferências e eventos internacionais. Apesar de até ter acolhido mais oito reuniões do que no ano anterior, num total de 306, o país mantém-se fora do top 10, que chegou a ocupar há dois anos.

 

Na lista das cidades, no entanto, Lisboa consegue ascender à sexta posição – os 152 encontros representam quase metade do total nacional em 2018 –, ultrapassando Londres, Singapura e Praga. O ranking elaborado pela Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA na sigla inglesa) é agora liderado por Paris, com Barcelona a cair do primeiro para o quarto posto.

De acordo com os dados facultados ao Negócios pela ICCA, que elenca os destinos que receberam um mínimo de cinco eventos, há outras sete cidades portuguesas nesta lista, com destaque para o Porto a surgir na 32.ª posição, com 71 encontros deste género. Seguem-se Cascais e Coimbra, empatadas na 180.ª com 16 eventos; Aveiro (225.ª, 12), Braga (302.ª, 8) e ainda Faro e Funchal, ambas com cinco congressos e no lugar 409 do ranking mundial.

 

Esta listagem apenas contabiliza encontros organizados por associações, realizados numa base regular, com um mínimo de 50 participantes e que já tenham passado rotativamente por, pelo menos, três países. Ainda assim, apesar de cobrir apenas uma fatia do mercado, este relatório estatístico serve como referência para toda a indústria dos eventos, devido à falta de dados globais nos outros segmentos.

 

O ranking dos países é liderado há duas décadas pelos Estados Unidos, que acolheu 947 do total de 12.937 encontros deste género em 2018. Alemanha e Espanha completam o pódio, mas o grande destaque vai para a queda do Reino Unido, a braços com o processo de saída da União Europeia (Brexit) do segundo para o quinto lugar.

 

Lisboa pede "grande centro de congressos"

 

Numa reação à divulgação destes dados, esta segunda-feira, 13 de maio, o diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa fala num "posicionamento internacional invejável" para este tipo de eventos, que "[contribuem] para uma boa rentabilidade do turismo, dado o maior peso deste produto em termos económicos". E aproveitou para pedir maior "convergência" entre os agentes do setor, além de cobrar a promessa de um novo centro de congressos.

 

"Estes resultados tornam mais atual a proposta que tem vindo a ser feita nos sucessivos Planos Estratégicos do Turismo de criação de um grande Centro de Congressos de cariz institucional capaz de acolher os congressos de grande dimensão, que hoje dificilmente se realizam em Lisboa por insuficiência dos equipamentos existentes", conclui Vítor Costa, citado numa nota de imprensa.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI