Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Guia do Web Summit

Um dos maiores eventos de inovação e empreendedorismo do mundo arranca na próxima segunda-feira. O Web Summit está literalmente a mexer com a capital. Como? Eis as respostas.

A carregar o vídeo ...
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
Se só agora se apercebeu que um dos eventos do ano em Portugal está prestes a arrancar, nada tema. O Negócios tenta responder a (quase) todas as suas questões sobre o WebSummit.


O EVENTO
O que é o Web Summit?
O Web Summit é uma conferência que reúne empreendedores, investidores, grandes empresas e os seus líderes. Foi fundada pelos irlandeses Paddy Cosgrave, David Kelly e Daire Hickey. A primeira edição decorreu em 2010 em Dublin. A capital irlandesa foi o palco do evento até ao
ano passado.


Onde e quando?
O Web Summit decorre de 7 a 10 de Novembro em Lisboa. O Meo Arena e a FIL, no Parque das Nações, são os locais onde se vão concentrar as actividades diurnas do evento. Isto porque a noite é também uma componente importante do Web Summit, com eventos concentrados na zona do Bairro Alto e Cais do Sodré.

O que fazer para ir?
O Web Summit não é gratuito. Nesta altura, os bilhetes já são dispendiosos – o mais barato custa 1.245 euros. Há alguns meses era possível comprar bilhetes por cerca de 700 euros. O preço depende daquilo a que a pessoa pretende ter acesso. Os mais baratos dão acesso apenas ao espaço de exibição. O bilhete considerado geral (ainda disponível) dá acesso a várias coisas, excepto ao espaço de "network" VIP e ao espaço onde estão os oradores. O bilhete "Premium" só não permite entrar no espaço reservado aos oradores e o bilhete "Platinum" dá acesso a todos os eventos e estruturas de apoio. Na última semana, o Web Summit anunciou que ia disponibilizar cerca de 6.000 bilhetes para jovens entre os 16 e os 23 anos a 9 euros. Esse leilão já terminou e, entretanto, surgiram bilhetes a ser vendidos em grupos do Facebook. A organização já fez saber que os bilhetes são intransmissíveis e que as entradas obtidas com bilhetes comprados através de leilão não serão válidas.

Porquê Lisboa?
A capital portuguesa concorreu e foi escolhida entre um leque de outras cidades europeias. O anúncio foi feito em Setembro de 2015, antes mesmo da realização da última edição em Dublin. Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, já explicou que a saída de Dublin deveu-se sobretudo à falta de condições, nomeadamente ao nível de infra-estruturas e à fraca qualidade do wi-fi. O Web Summit vai realizar-se em Lisboa em 2016, 2017 e 2018. Há ainda a possibilidade de repetir-se em 2019 e 2020, mas estas duas datas ainda não estão fechadas.  O evento vai contar com um apoio de  3,9 milhões de euros, 1,3 milhões por ano, dados pelo Turismo de Portugal, Turismo de Lisboa (ATL) e AICEP (Agência de Investimento de Portugal).


OS NÚMEROS
Quantas pessoas virão?
A organização estima que venham a Lisboa cerca de 50 mil pessoas, oriundas de mais de 160 países, entre jornalistas, empreendedores, investidores e políticos.

Que retorno?
O Web Summit já avançou que é esperado um impacto económico directo de 200 milhões de euros nos hotéis, transportes e restaurantes de Lisboa.

O que é que fica?
O Governo e a autarquia querem que o evento não se resuma a três dias e caia no esquecimento até ao ano seguinte. As autoridades pretendem potenciá-lo para que dele fiquem raízes para atrair empresas e empreendedores, incluindo estrangeiros, para Lisboa e para o país. Neste sentido se enquadra a decisão da autarquia de ficar com um antigo complexo militar, localizado na zona do Beato, onde está a nascer um Hub Criativo. Em resumo, trata-se de colocar Portugal no mapa mundial do empreendedorismo.

Quantas start-ups?
Portugal vai estar representado com 67 start-ups que, além de mostrarem as suas ideias de negócios, estão também à procura de financiamento no evento. Candidataram-se 170 empresas nacionais.


ALOJAMENTO
Como estão os hotéis?
Encontrar quarto num hotel não é uma tarefa fácil num período que o sector classifica de "balão de oxigénio". As unidades de Lisboa estão já com uma taxa de ocupação superior a 90%. Uma pesquisa na plataforma de alojamento Booking mostra que a procura está a ser acentuada, com os últimos quartos disponíveis. A maioria da oferta ainda disponível está acima dos 150 euros por noite.

E o alojamento local?
Não há tanta unanimidade quanto à ocupação do alojamento. Há empresários a dar conta de terem os seus espaços já preenchidos e outros que, sem ter aumentado preços, não registam um aumento de reservas ou visualizações para a semana do Web Summit. Esta modalidade pode, por isso, apresentar-se como uma boa alternativa para quem está a fazer reservas de "última hora". O Airbnb já informou que espera 15 mil visitantes nos alojamentos lisboetas registados na plataforma, com um retorno adicional de 2,8 milhões de euros. França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos estão em destaque. Já a plataforma HomeAway informou ao Negócios que 74% dos alojamentos que tem registados já estão reservados para as datas de Web Summit, em comparação com os 47% da semana seguinte.


TRANSPORTES
Que transportes usar?
O Metro de Lisboa criou um passe especial para o Web Summit, alargado aos comboios da CP e aos autocarros da Carris. O passe permite a ida a Sintra e Cascais e pode ser pago com cartões internacionais. Metro e Carris contarão com reforço das frequências. Está previsto um reforço no apoio prestado aos estrangeiros e maior presença das equipas de limpeza e segurança, sobretudo na estação do Oriente.

Há mais táxis?
Os táxis, através da Cooptáxis, terão também mais veículos no terreno, contando com balcões no evento, dotados de tecnologia, para que a sua chegada seja mais rápida. Também a aplicação Mytaxi alertou os táxis parceiros para que estejam mais disponíveis durante o Web Summit e mostrem que o sector está a entrar na era digital. O agendamento de carros é um dos conselhos deixados.


Ir de uber ou cabify?
A plataforma da mobilidade Cabify diz que os parceiros estão sensibilizados para o aumento da procura. As viagens de e para a área do Meo Arena terão descontos imediatos: 15% para contas privadas e 25% para contas de empresas, até um total de 50 euros. Já a Uber não confirmou se haverá reforço no terreno mas lançou uma nova modalidade, a Uberpool, que permitirá dividir os custos das viagens com outros passageiros que sigam na mesma direcção. A poupança poderá atingir os 25%.

Vai para o aeroporto?
O aeroporto Humberto Delgada contará com o dispositivo de segurança habitual. Na área das chegadas estará instalado um local de recepção aos congressistas estrangeiros. A gestora ANA assegura que não é necessário aos restantes passageiros chegar mais cedo ao aeroporto se forem viajar. Não há número adicional de voos por causa do Web Summit: os passageiros foram integrados na operação habitual.


SEGURANÇA
Há mais segurança?
Está montada uma operação de segurança com vários departamentos da PSP, que contará com o Comando Metropolitano de Lisboa, Unidade Especial de Polícia, Corpo de Intervenção e Divisão de Investigação Criminal. Existirão também agentes à paisana espalhados pela cidade, com maior foco no Parque das Nações.

Qual a resposta a emergências?
No Parque das Nações estão instaladas em permanência quatro ambulâncias junto ao quartel general do Web Summit. Em caso de necessidade, e tendo em conta a gravidade, farão o reencaminhamento imediato para o Centro de Saúde dos Olivais ou para o Hospital de Loures.


DIVERSÃO
O que fazer à noite?
O Web Summit tem uma forte componente nocturna, mais descontraída, com a tradição nos Pub Crawls: basicamente são visitas a alguns bares das cidades. A tradição é levada a sério por muitos participantes, sendo de esperar uma enchente também "na noite" durante os dias do evento. As zonas de maior afluência serão o Bairro Alto e o Cais do Sodré. As associações do sector da restauração já apelaram a uma maior flexibilidade dos estabelecimentos quanto aos horários de fecho e alguma compreensão quanto ao eventual barulho nas ruas durante os dias de semana.

E para aquecer antes?
Na pala do Pavilhão de Portugal existirão festas ao pôr-do-sol, entre as 16:00 e as 19:30, a 8 e 9 de Novembro. As iniciativas contarão com músicos e DJs, sendo abertos ao público em geral. As várias regiões turísticas estarão a promover os seus destinos, não faltando gastronomia e vinhos. Para quem não quer perder o que se passa dentro da FIL e do Meo Arena, há transmissão em directo no local.

Onde comer?
Não é preciso sair do recinto do Web Summit para recarregar energias. Contudo, o Parque das Nações está dotado de um vasto leque de restaurantes. Para os que querem ir aos restaurantes da "moda" ou de segmento mais alto na capital, o conselho é reservar com certa antecedência. Se não, ligar antes para perceber como está a afluência dos espaços. Por exemplo, no restaurante Loco, com pouco mais de 20 lugares na Lapa, tem-se sentido mais reservas devido ao evento. Já outros locais, como o Alma e o Feitoria dizem sentir um fluxo normal de reservas de estrangeiros, que não conseguem associar directamente ao Web Summit. Nesta altura decorre também o The Fork Fest, com desconto de 50% na carta de restaurantes seleccionados na capital e que exigem também reserva através da respectiva plataforma.

Ver comentários
Saber mais Web Summit hotelaria conferência turismo lazer turistas impacto tecnologia empreendedorismo transportes Carris Metro Uber Cabify Paddy Cosgrave guia
Mais lidas
Outras Notícias