Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nove start-ups com a porta já aberta para o Web Summit

Uma iniciativa que pretende abrir os dados da cidade de Lisboa, colocando-os ao dispor de start-ups, deu ontem início à fase de experimentação. São nove as empresas que vão poder testar as suas soluções ao vivo e a cores e têm já a porta aberta para o Web Summit.

Start-ups, inovação, tecnologia, pequenas empresas
Bloomberg
Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 13 de Setembro de 2016 às 10:09
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
Lisboa tem uma iniciativa, a Smart Open Lisboa, cuja ambição é abrir os dados da cidade e colocá-los à disposição de start-ups que, aponta o comunicado, "possam contribuir para uma cidade melhor, mais inteligente e mais eficiente, conheceu hoje um importante momento". Esta segunda-feira, 12 de Setembro, arrancou a fase de experimentação. E nove equipas vão testar as suas soluções num ambiente real.

A iniciativa permite a abrangência de toda a cidade mas os principais focos vão estar na praça do Município além de integrações em hotéis, piscinas, nas Escolas de Hotelaria do Turismo de Portugal e na própria Câmara Municipal de Lisboa.

"Passada esta fase, onde o sucesso será definido por critérios definidos antecipadamente, estas start-ups vão entrar no mercado, e procurar parceiros, clientes e investidores", pode ler-se no comunicado.

Uma das iniciativas que vai permitir a estes nove projectos expandir os seus horizontes é o Web Summit, que se realiza em Lisboa de 8 a 10 de Novembro. De acordo com o comunicado, estas start-ups "vão todas ter acesso a convites para o Web Summit, onde uma das conferências será dedicada precisamente ao universo Open Source".

As nove start-ups são, segundo o comunicado, a aidHound, a Fi-sonic, a eKoneksa, a Visor.ai, a Optishower, a Load Interactive, a Medcore, a Bclose e a 360waste. O comunicado enviado às redacções inclui uma descrição sobre as mesmas:

  1.         - aidHound -  Pretende usar dados de geo-referência para ajudar os sem-abrigo e outras comunidades desfavorecidas. Esta aplicação foi desenhada para ajudar voluntários no terreno a estar em contacto com os sujeitos, e os decisores das ONG a tomar decisões informadas, para melhor apoiaram os seus recursos;

 

  •       -   Fi-sonic - processa e analisa o som da cidade, através de uma rede de micros multi-direccionais e altamente sofisticados, distribuídos em vários pontos (vão estar na Praça do Comércio). Problemas como o excesso de ruído, acidentes, gritos de ajuda, assaltos, pequenos sismos, tudo fica registado, o que permite gerar depois soluções integradas para a cidade. Enquanto as câmaras de vigilância só ‘olham’ para um certo ângulo, este micros ‘ouvem’a 360º;

 

  •         - eKoneksa – Com esta solução pode monitorizar os níveis de consume de energia dos seu edifício em tempo-real, gerando relatórios, identificando pontes fortes de poupança, e gerindo operações de manutenção, tudo através de uma mesma plataforma;

 

  •         - Visor.ai - Dedicam-se a encontrar as melhores formas de combater o isolamento dos cidadãos mais seniores, recorrendo a soluções tecnológicas;

 

  •         - Optishower – Esta start-up pretende reduzir o consumo de água e energia, com recurso a um revolucionário sistema cyber-físico, bem como a técnicas de gamificação;

 

  •         - Load Interactive - Empresa especialista no estudo e desenvolvimento de novos produtos e serviços digitais, dotada de uma equipa multidisciplinar, focada no desenvolvimento de soluções smart, web e de mobilidade, com forte enfoque no design e usabilidade.

 

  •         - Medcore – Start-up dedicada a encontrar soluções para um envelhecimento activo;

 

  •         - Bclose - Plataforma digital que agrega, de forma simples e intuitiva, diversos dispositivos tecnológicos nas componentes de segurança, saúde, bem-estar e gestão de energia num único software.

 

  •         - 360waste - Serviço moderno e integrado para a gestão da recolha de resíduos, compatível com diferentes tipos de contentores e resíduos. Permite um planeamento mais eficiente, economizar nos gastos logísticos e a diminuição do volume de poluição, bem como a detecção e alerta em caso de incêndio em contentores, bem como possíveis quedas ou danos.
Ver comentários
Saber mais Web Summit Smart Open Lisboa
Mais lidas
Outras Notícias