Análises Deco Cresce, cresce, reforma, cresce

Cresce, cresce, reforma, cresce

Receitas para preparar planos de poupança reforma não faltam, mas nem todas os fazem crescer tudo o que podem. E há PPR com ingredientes especiais. O mais certo é que o seu não seja um deles... Temos uma ferramenta que ajuda a encontrar os produtos mais apetecíveis do mercado.
Cresce, cresce, reforma, cresce
Reuters
Deco Proteste 16 de julho de 2019 às 11:00
Dos quase 700 Planos de Poupança Reforma (PPR) que existem em Portugal, apenas uma pequena parte merece que o investidor se dê ao trabalho de fazer contas à rentabilidade oferecida, a sonhar com um complemento de reforma que lhe pese na carteira. Veja o gráfico ao lado. A totalidade dos PPR (668), tanto os que garantem o capital (sob a forma de seguro) como os de maior risco (fundos PPR), rendeu, em média, uns tímidos 2,2% ao ano, nos últimos três anos (de 2016 a 2018). Mais de metade (353 produtos) apresentou um rendimento abaixo dessa média, e pouco mais de um quarto (187) ficou-se por um desgostoso rendimento inferior a 1%. Destes, 32 PPR registaram perdas. Olhando à fatia dos produtos que obtiveram ganhos acima da média, mas fazendo um "zoom" aos que, estoicamente, conseguiram aproximar-se da fasquia dos 4% de rentabilidade - a tal que faz sonhar com uma reforma folgada -, apenas 115 PPR renderam 3,9% ou mais. No entanto, a maior parte já não está disponível para novas subscrições.

É neste grupo seleto que se encontram as nossas duas Escolhas Acertadas: o Lusitania Poupança Reforma PPR (produto sob a forma de seguro) e o Alves Ribeiro PPR (sob a forma de fundo).

Quanto rende o meu PPR? Errr...
Muitos dos investidores, talvez a maioria, desconhecem o rendimento do seu PPR, além de que nunca o puseram lado a lado com outros produtos eventualmente mais rentáveis. Problema: tratando-se de uma poupança de longo prazo, diferenças de rendimento repetidas ao longo de décadas podem representar milhares de euros perdidos. Os PPR sob a forma de seguro ganharam, em 2018, 1,1%, em média, mas as variações foram superiores a 4 por cento. Nos fundos PPR, o fosso é ainda maior. Em 2018, as discrepâncias na rentabilidade destes produtos chegaram aos 12 por cento. Ou seja, face às melhores opções do mercado, as perdas podem ser a doer. Exemplo concreto e extremo: nos últimos cinco anos, por cada 10 mil euros investidos no PPR sob a forma de fundo menos rentável do mercado, que obteve -1,2%, os investidores perderam 790 euros por ano. Isto em comparação com a nossa Escolha Acertada, que ganhou 6,7% ao ano.

Simule, compare e ganhe mais
Moral da história: é possível que esteja a perder bom dinheiro com o seu PPR. Razão mais do que válida para querer conhecer melhor a rentabilidade do seu produto, compará-lo com os melhores e quem sabe transferi-lo para um mais vantajoso. Para saber se deve continuar a pôr as fichas todas no seu PPR, vá a www.ganhemaisnoppr.pt e ponha-o à prova. Esta ferramenta permite comparar o rendimento dos últimos três anos dos 668 PPR do mercado, sob a forma de fundo e seguro. Com o resultado da simulação, fica a conhecer o rendimento do seu PPR e o das melhores propostas de fundos PPR e seguros PPR, e também se deve ou não transferir.

Fundos PPR: título renovado
Todos os PPR sob a forma de fundo - adequados a quem está a mais de dez anos da reforma - registaram perdas em 2018, ano pouco feliz para as bolsas. Em média, no ano passado, os fundos PPR perderam 5,3%, com quedas a oscilar entre -12,6% (Bankinter 75 PPR) e -0,2% (Caixa PPR Rendimento Mais). A nossa Escolha Acertada, o Alves Ribeiro PPR, perdeu 3,9%, melhor do que a média, portanto.

Como pode ver no quadro, onde elencamos os PPR com rentabilidades acima da média, divididos em três categorias, o produto do Novo Banco, o NB PPR, perdeu ainda menos (-0,7 por cento).

Mas, se tivermos em conta um histórico mais vasto, como os últimos cinco anos, o Alves Ribeiro PPR destaca-se: rendeu 6,7% ao ano e o NB PPR 5,2 por cento.

A rentabilidade anual obtida nos últimos três anos pelo Alves Ribeiro PPR (5,1%) cola-lhe um número esmagador ao nome: 96% de todos os PPR no mercado ficaram classificados abaixo dele. Este fundo PPR mantém, por isso, a medalha de ouro na sua categoria, mas à custa da "performance" dos anos anteriores a 2018, já que o último ano não lhe correu de feição. Ressalva fulcral: a nossa avaliação tem por base a rentabilidade passada. Esta não garante os mesmos rendimentos no futuro, mas é um indicador de eficiência e de qualidade da gestão do produto.

Segurança a 10 anos da reforma

O seguro Lusitania Poupança Reforma PPR obteve, em 2018, um rendimento de 3,8%, bem acima da rentabilidade média dos seguros PPR registada no ano passado, que foi de 1,1 por cento. A "performance" nos últimos três anos - 3,9% - também ultrapassou a média de 1,5% ao ano conseguida nesse período. Renova, por isso, o título de Escolha Acertada nos seguros PPR (o ideal para quem já está próximo da reforma e não se pode dar ao luxo de perder capital) e ainda consegue a proeza de não ser ultrapassado por 83% de todos os PPR no mercado. O protocolo que celebrámos com a Lusitania Vida permite subscrever este PPR com condições especiais.

É possível, no entanto, que, ao olhar para o quadro, se pergunte porque é que o produto da espanhola PSN Mutua de Seguros, que se saiu melhor do que o Lusitania Poupança Reforma PPR, tanto em 2018 (4,2%), como nos últimos três anos (4,4%), não foi considerado Escolha Acertada. Explicamos: a rentabilidade não é critério soberano na escolha dos produtos. A segurança é essencial e o rácio de solvabilidade desta seguradora - capacidade para pagar os seus compromissos - é um dos mais baixos de Espanha. A entidade supervisora exige que esse rácio seja de 100% (a seguradora tem de ter reservas mínimas de igual montante aos prémios pagos pelos clientes) e a PSN Mutua de Seguros apresentou um valor de 108%, pouco mais do que o mínimo exigido. A Lusitania Vida tem um rácio de solvabilidade de 152%, indicador de maior solidez financeira. Além disso, o PPR da PSN Mutua de Seguros não está acessível a todos, uma vez que é exclusivo para profissionais com formação universitária.

30 anos? Está na hora
Há bons argumentos para começar a sonhar com a reforma escassos anos depois de ter entrado no mercado de trabalho. Os PPR são uma forma simples e diversificada de poupar (investem em ações e obrigações), exigem montantes baixos (entregas regulares de 20 ou de 50 euros) e proporcionam benefícios fiscais, como a dedução de 20% do valor aplicado no IRS, com um limite máximo de 400 euros, para quem tenha até 35 anos, e uma taxa de imposto de 8% sobre o rendimento, no momento do resgate. À maior parte dos produtos financeiros aplica-se 28% de imposto. Sim, há restrições à liquidez (implicam fortes penalizações em caso de resgate fora das condições legais), mas, no fim, o esforço compensa. Sobretudo se apostar no parceiro certo na altura certa.

Lembre-se: com os produtos financeiros casa-se por interesse, não por amor.

Suponha que, aos 30 anos, começa a pôr de lado 50 euros todos os meses e que os aplica na nossa recomendação de fundos PPR, que rendeu 6,7% ao ano nos últimos 5 anos. Suponha que esse rendimento se mantém durante os 37 anos que lhe faltam até à reforma. Sabe quanto teria aos 67 anos? Mais de 90 mil euros. Suponha agora que poupa 100 euros por mês. Arrumaria as ferramentas de trabalho com cerca de 186 mil euros. Se optasse por depósitos a prazo a uma taxa hipotética de 1%, atualmente o melhor que se encontra do mercado, teria apenas... 54 mil euros. Está à espera de quê?

Até aos 56 anos

Fundos PPR

PPR SOB A FORMA DE FUNDO
Alves Ribeiro PPR Banco Invest rendeu 6,7% ao ano nos últimos cinco anos, de 2014 a 2018

CONDIÇÕES GERAIS
mínimo de abertura de conta à ordem 5000 euros
custo anual de manutenção da conta à ordem (DO EUR) isento
mínimo de subscrição 50 euros
reforço mínimo mensal 50 euros

CONDIÇÕES PROTOCOLODECO/BANCO INVEST
mínimo de abertura de conta à ordem 1.000 euros
custos de manutenção da conta à ordem isento
mínimo de subscrição isento
reforço mínimo mensal 50 euros
prémio de fidelização anual 0,4% para subscritores da Proteste Investe e 0,2% para subscritores das restantes publicações da DECO Proteste


A partir dos 57 anos

Seguros PPR

PPR SOB A FORMA DE SEGURO
Lusitania Poupança Reforma PPR
Lusitania Vida rendeu 3,9% ao ano nos últimos três anos. Garante um rendimento mínimo de 1,5% em 2019, ao qual se soma parte dos resultados obtidos pela seguradora

CONDIÇÕES GERAIS
mínimo de subscrição 20 euros
entregas mínimo de 20 euros por mês

CONDIÇÕES PROTOCOLO DECO/LUSITANIA VIDA
mínimo de subscrição 20 euros
entregas mínimo de 20 euros por mês
comissão de subscrição isento
comissão de resgate isento
prémio de fidelização anual 0,25% nos primeiros cinco anos para subscritores da Proteste Investe e 0,1% para subscritores das restantes publicações da DECO Proteste. 






Marketing Automation certified by E-GOI