IMF – Euro atingiu mínimos do mês face à libra

Eur/Gbp negociou ligeiramente acima dos £0.8700; Eur/Usd atinge novos mínimos abaixo dos $1.1800; Crude atinge níveis acima dos $72; Cotação do ouro em mínimos do ano.
Jornal de Negócios
pub
IMF - Informação de Mercados Financeiros 21 de maio de 2018 às 11:09

Eur/Gbp negociou ligeiramente acima dos £0.8700.
O euro recuou para mínimos de finais de abril nos £0.8710, tendo recuado cerca de 0.80% na última semana. O Reino Unido estará a considerar a aplicação das tarifas externas da União Europeia por um tempo limitado para além de dezembro de 2020, como parte de um acordo no caso de um atraso na implementação do Brexit. Uma fonte anónima afirmou que o governo estaria a tentar encontrar uma forma de fazer um acordo de recurso com a UE de uma forma mais aceitável para o Reino Unido, em vez de procurar estender o período de transição. A primeira-ministra britânica Theresa May tem tido dificuldades em gerir o seu executivo em relação aos termos do "divórcio" com a União, tendo uma disputa sobre o futuro acordo alfandegário dividido o seu governo e quase paralisado as negociações sobre o processo de saída da União Europeia. Para além disso, o Bank of England decidiu manter recentemente a taxa de juro de referência inalterada nos 0.50%.
A nível técnico, o câmbio segue em baixa, tendo inclusivamente derrubado o suporte dos £0.8750. As médias móveis no MACD e o Estocástico dão um claro sinal de venda, sendo, portanto provável que o Eur/Gbp venha a testar o suporte dos £0.8685 ou até mesmo o limite inferior do canal de tendência descendente iniciado em setembro do ano passado. O facto de um câmbio ter quebrado o limite inferior da cunha ascendente, aponta para uma continuidade da tendência de baixa.


Eur/Usd atinge novos mínimos abaixo dos $1.1800.
Na última semana, o Eur/Usd desvalorizou influenciado pela subida dos yields das obrigações do Tesouro nos Estados Unidos, cujo títulos a 10 anos fixaram-se acima dos 3.10%. As notícias de Itália estiveram na origem da queda do par, onde a potencial coligação italiana criou um esboço sobre um perdão de dívida de 250 mil milhões. Contudo, tal plano foi posto de parte dando algum suporte ao Eur/Usd. Adicionalmente, a produção industrial na Zona Euro subiu menos que o previsto.
Numa perspetiva técnica, o Eur/Usd mantém a perspetiva de queda, estando o suporte fixado nos $1.16-$1.17. A MACD tem dado sinais claros de venda e o RSI tem indicado que as zonas oversold atingidas surgem somente como zonas de ligeira correção. Contudo, o par está perante uma cunha descendente (formação que dá a possibilidade de reversão de tendência).

Crude atinge níveis acima dos $72
A produção dos Estados Unidos continua a aumentar, mas os sinais de forte procura por parte da China até a meio da última semana deram algum suporte até a meio da última semana. Contudo, o crude segue pressionado quer pela indicação de uma subida considerável nos stocks dos EUA, na final da semana passada, quer pela evidência de dificuldade de vendas das cargas de petróleo físico para entrega imediata por falta de interesse dos compradores. Tem vindo a surgir indicações de que estes preços altos estão a condicionar o consumo.
Tecnicamente, após superar a resistência dos 70$ perdeu algum impulso, mas permaneceu a subir moderadamente acima da média móvel de curto-prazo. No entanto, o nível $72 aparenta estar a dar alguma resistência ao par.

Cotação do ouro em mínimos do ano
O ouro negoceia em mínimos de finais de dezembro, um pouco abaixo dos $1300, pressionado por um dólar mais firme e por um aumento nos yields das obrigações do tesouro norte-americanas. O metal recuou cerca de 2% ao longo da semana passada, tendo o índice do dólar atingido máximos de quase cinco meses, enquanto os yields de referência chegaram a valores de há sete anos.
A nível técnico, o metal precioso conseguiu finalmente quebrar o suprote dos $1301, no nível de retração fibonacci dos 50%, nível esse por várias vezes testado em 2018. A cotação do ouro encontra-se próxima do nível de retração fibonacci dos 61.8% nos $1285.50, sendo possível que esta venha a quebrar a referida barreira em baixa, visto que o MACD e o Estocástico mantêm uma tendência negativa, no gráfico diário. Apesar de o RSI de 14 períodos encontrar-se próximo de níveis oversold, caso ocorra o referido recuo, há uma possibilidade de o metal precioso dar seguimento à sua queda até à próxima barreira suporte fixada nos $1260. A cotação do metal segue igualmente dentro dos limites da cunha descendente de curto prazo.

As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.

pub