Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

IMF – Eur/Usd segue a renovar máximos; Fed mais otimista

Bitcoin quebra $20 mil, prolonga ganhos; Eur/Usd segue a renovar máximos; Fed mais otimista; Crude continua a subir com otimismo em torno das vacinas contra o Covid-19; Ouro renova máximos de um mês

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
| Bitcoin quebra $20 mil, prolonga ganhos

Com o quarto e último trimestre de 2020 prestes a terminar, a bitcoin irá certamente ser uma das principais "vencedoras" neste período. Desde o início de outubro, a cotação da mais famosa e importante criptomoeda a nível mundial já "disparou" 130%, de $10 mil para os atuais mais de $23 mil. Os ganhos anuais encontram-se na ordem de 220%. A bitcoin foi impulsionada por um aumento da procura por parte de grandes investidores atraídos pelo seu potencial de ganhos rápidos, alegada resistência à inflação e expectativas de que se tornará um método de pagamento mainstream. O último ponto, do método de pagamento, ganhou particularmente tração nos últimos meses, após o Paypal ter aberto a sua rede de pagamentos às criptomoedas. Para além disto, a recente fraqueza do dólar, também aumenta o interesse. O "rally" em ativos digitais está a polarizar a opinião, dada a história de "boom and bust" da bitcoin. Os defensores argumentam que as criptomoedas estão a ser utilizadas para "ocupar" o lugar do ouro como um diversificador de carteira de investimentos, num contexto de fraqueza do dólar e a potencial pressão inflacionista.

Tecnicamente, a bitcoin transaciona numa clara tendência bullish, com os indicadores técnicos a sugerir que esta deverá ser ainda mais expressiva, à medida que testa o limite superior do canal ascendente (vermelho tracejado). A nível técnico, tudo aponta para que os ganhos devam continuar.

| Eur/Usd segue a renovar máximos; Fed mais otimista

O Eur/Usd deu seguimento à subida, cotando agora acima dos $1,22 – máximos de abril de 2018. Após a reunião do BCE, foi agora a vez da Fed de manter a sua política monetária. Na reunião de ontem, a Fed reiterou o compromisso de apoiar a economia enquanto enfrenta a recessão, prometendo manter o seu programa de QE de pelo menos €120 mM por mês até que se verifiquem "progressos substanciais" no mercado laboral e na inflação. As taxas de juro de referência permaneceram no intervalo 0%-0,25%. Apesar de as medidas expansionistas estarem "para ficar" durante algum tempo, Jerome Powell apresentou uma postura mais otimista. A Fed prevê agora uma contração da economia norte-americana de 2,4% este ano – uma melhoria expressiva face à quebra de 3,7% projetada anteriormente. Numa nota ainda mais otimista, as previsões da recuperação para 2021 e 2022 também foram revistas em alta, de 4% para 4,2% e de 3% para 3,2%, respetivamente. Para além do crescimento económico, prevê-se agora uma taxa de desemprego de 6,7% em 2020, abaixo da de 7,6% aguardada em setembro. Sobre a inflação para o período 2020-2022, as projeções apontam para uma taxa de 1,4%, 1,8% e 1,9%, respetivamente. Na ZE, o desempenho económico +terá excedido as expectativas em dezembro. Os PMIs preliminares da IHS Markit apresentaram resultados robustos de forma transversal. O indicador da indústria subiu de 53,8 pontos em novembro, para 55,5 este mês. Os fabricantes relataram um forte crescimento, impulsionado pelo aumento das exportações e por um forte desempenho na Alemanha. No setor terciário a contração prevalece, contudo, foi registada uma forte melhoria, sendo verificado um "salto" de 41,7 para 47,3 pontos. Isto elevou o PMI Compósito (que inclui ambos os setores) para 49,8 pontos, já bastante próximo do limiar de contração/expansão dos 50.

A nível técnico, após ter quebrado a resistência dos $1,20 em inícios de dezembro, o Eur/Usd tem vindo a apresentar uma perspetiva cada vez mais bullish. O MACD continua a apresentar sinal de compra, podendo indicar que o par deverá permanecer a consolidar acima dos $1,20, podendo ainda realizar um teste aos $1,25 no médio-prazo.

| Crude continua a subir com otimismo em torno das vacinas contra o Covid-19

O crude encerrou a semana em máximos de nove meses, já bastante próximo dos $50/barril, correspondendo à sétima semana consecutiva de ganhos. O preço da matéria-prima tem beneficiado dos desenvolvimentos na frente das vacinas contra o Covid, que já começam a ser administradas em algumas geografias, como EUA e Reino Unido. Estes desenvolvimentos melhoram as perspetivas futuras de procura do ouro negro. Não obstante, o número crescente de infeções nas principais economias e as novas restrições de movimento na Europa estão a ter impacto nas perspetivas imediatas da procura.

Tecnicamente, o crude deu seguimento aos ganhos, após ter quebrado a importante resistência dos $44/barril. O MACD apresenta agora um forte sinal de compra, estando a testar os $50, com o resultado do teste a este nível a ditar o futuro do ouro negro para o médio/longo-prazo.

| Ouro renova máximos de um mês

O ouro subiu para máximos de um mês, impulsionado após a Fed ter reiterado o seu compromisso de apoiar a economia e também pelo aumento das expetativas de que um pacote de apoios seja aprovado em breve no Congresso dos EUA. Prevê-se que ouro termine 2020 com o maior ganho anual numa década, como resultado da aversão ao risco resultante da pandemia. O metal precioso subiu, até ao momento, 24% este ano e atingiu um recorde acima dos $2075 em agosto. Os futuros para entrega em fevereiro subiram 1,7% para se fixarem em $1890,40/onça. A prata, a platina e o paládio também avançaram.

Tecnicamente, nos finais de novembro, o ouro ressaltou perto dos $1750, tendo lateralizado entre os $1800 e os $1900 desde então. O MACD apresenta um sinal praticamente nulo, podendo indicar que o metal precioso continue a consolidar em torno dos níveis atuais.

As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.
Ver comentários
Saber mais imf euro dólar edp crude ouro petróleo Fed Covid-19 Bitcoin
Outras Notícias