Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acções da PT somam mais de 4% depois de aprovados novos termos da fusão PT/Oi

As acções da Portugal Telecom estão a reagir em alta, tendo subido já mais de 4%, à aprovação dos novos termos da fusão entre a operadora portuguesa e a brasileira Oi.

Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 09 de Setembro de 2014 às 09:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • 9
  • ...

As acções da Portugal Telecom (PT) estão, esta terça-feira, 9 de Setembro, a reagir à aprovação dos novos termos da fusão entre a operadora portuguesa e a brasileira Oi.

 

As acções da PT somam, por esta altura, 2,82% para 1,822 euros tendo, no entanto, já subido 4,29% para 1,848 euros. Por esta altura trocaram já de mãos mais de um milhão de acções. Com base nesta cotação, a operadora de telecomunicações tem uma capitalização bolsista em torno dos 1.588 milhões de euros.

 

Já as acções da brasileira Oi, encerraram na sessão desta segunda-feira, 8 de Setembro, a ceder 0,1% depois de terem chegado a avançar 4,37%.

 

Esta segunda-feira, 8 de Setembro, os accionistas da operadora de telecomunicações portuguesa reuniram-se em assembleia-geral para votarem os novos termos da fusão com a Oi. Depois de mais de quatro horas de discussão os accionistas aprovaram as novas condições para a operação – que passam pela diminuição da posição dos accionistas da operadora nacional na nova Oi – foram aprovados com o voto favorável de 98,25% do capital presente.

 

Com esta aprovação, a PT será agora uma entidade diferente. Só ficará com papel comercial da Rioforte e com uma opção de compra na Oi. A fusão jurídica já não será concretizada. A PT SGPS continuará.

 

O Negócios escreve esta terça-feira que, neste encontro a administração da operadora, em particular Henrique Granadeiro, foi confrontada com a aplicação de quase 897 milhões de euros em papel comercial da Rioforte. E foi perante uma pergunta de um accionista que o presidente demissionário da PT, que deverá sair após a assembleia, invocou as palavras do Presidente da República, Cavaco Silva, para dizer não ter conhecimento da situação do GES (Grupo Espírito Santo). Palavras que nos últimos dias foram relembradas por Cavaco Silva, que transcreveu na íntegra a declaração que fez em Seul, para salientar que o que disse foi que as informações do Banco de Portugal davam garantia de que não havia risco no BES.

 

A 26 de Junho foi revelado que a PT tinha investido quase 900 milhões de euros em papel comercial da Rioforte, uma empresa do universo do Grupo Espírito Santo. A empresa tinha até 15 de Julho para reembolsar à operadora o capital investido, porém isso não aconteceu. A Rioforte, à semelhança do que aconteceu com outras companhias do GES, pediu gestão controlada, uma espécie de protecção contra credores. Até agora, a operadora não foi reembolsada existindo assim uma situação de incumprimento por parte da Rioforte. Com base na cotação de fecho do dia 26 de Junho e desta terça-feira é possível perceber que os títulos registam uma quebra de 33%, tendo, neste chegado a registar perdas acumuladas superiores a 50% no início de Agosto, depois de resgatado o BES. Desde o início do ano a operadora portuguesa recua agora mais de 43%.

 

De acordo com informações reveladas esta segunda-feira à noite, em comunicado, a Oi quer que a "nova Oi", empresa que tem sido designada CorpCo, esteja cotada em São Paulo, Lisboa e Nova Iorque até final do primeiro trimestre de 2015.

 

Em comunicado, a Oi refere que o objectivo é cotar a CorpCo no designado novo mercado brasileiro, o que levará a que a estrutura da empresa fique simplificada com a existência de apenas uma categoria de acções e não duas como a que existe actualmente.

Ver comentários
Saber mais Portugal Telecom PT Henrique Granadeiro oi
Outras Notícias