Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acções do Banif fecham a cair mais de 40%

Uma queda de apenas 0,0006 euros foi suficiente para o Banif registar a maior descida diária de sempre em termos percentuais. Os investidores temem que o banco seja alvo de uma resolução que penalize os accionistas.

Correio da Manhã
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 14 de Dezembro de 2015 às 17:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 14
  • ...

As acções do Banif reagiram em forte queda às notícias sobre a possibilidade de o banco ser intervencionado, apesar da instituição liderada por Jorge Tomé ter negado informações nesse sentido.

 

Os títulos fecharam a sessão a desvalorizar 41,82% para 0,0008 euros, sendo que ao longo da sessão chegaram a recuar 56,36% para 0,0006 euros. A queda no fecho, apesar de corresponder a apenas 0,0006 euros, foi a maior de sempre na história do Banif em termos percentuais.

 

A liquidez voltou a ser muito elevada, tendo sido transaccionadas 1,55 mil milhões de acções, o que compara com a média diária de 174 milhões nos últimos seis meses.

 

Na sessão de sexta-feira as acções tinham recuperado 57,14% para 0,0014 euros, depois de o banco ter confirmado que tinha dado início ao processo de venda da posição do Estado no Banif. Esta segunda-feira contudo acentuaram-se os receios de que o banco vai ser alvo de uma resolução, o que provocou uma queda acentuada nos títulos.

 

"Continuam os receios de que o banco venha a precisar de mais capital e de como irá decorrer o processo de venda e em que moldes, uma vez que o mercado considera que o banco não vai conseguir pagar o que deve ao Estado", explicou à Reuters Albino Oliveira, analista da Patris Investimentos, acrescentando que "o facto do valor nominal do título ser tão baixo torna-o muito volátil e esta volatilidade não vai abrandar nos próximos dias". 

 

O ministério das Finanças anunciou esta madrugada que "decorre um processo de venda" da posição do Estado no banco e que neste dossiê a preocupação do Governo liderado por António Costa passa por "garantir a confiança no sistema financeiro, a plena protecção dos depositantes, as condições de financiamento da economia e a melhor protecção dos contribuintes".

 

Este comunicado das Finanças surge depois de a TVI ter noticiado que o Executivo está preparado para intervir no Banif. A estação de Queluz adiantava que o Banif podia ser alvo de uma medida de resolução, com a separação entre os activos problemáticos e saudáveis, podendo estes ser transferidos para a Caixa Geral de Depósitos.

 

Também em comunicado, o Banif "desmentiu categoricamente" esta notícia da TVI de que estava a ser preparada uma intervenção na instituição. O banco liderado por Jorge Tomé dá classifica as informações avançadas pela TVI de "falsidades (…) que não só não correspondem à verdade como não têm qualquer espécie de fundamento".

 

A TVI não foi contudo o único meio de comunicação social a avançar com notícias sobre a possibilidade de o Banif ser intervencionado. O Público avançou que "o Governo está a trabalhar para durante esta semana poder apresentar uma solução para o Banif que, independentemente da via escolhida, venda total, parcial ou por conversão dos Cocos (empréstimo) em capital, passará por expurgar do balanço os activos "tóxicos" (criar banco mau)".

 

Já o Diário Económico noticia que o Banif está numa "corrida contra o tempo para encontrar comprador até sexta-feira", sendo que há pelo menos três fundos convidados a apresentar ofertas até ao fim da semana.

Ver comentários
Saber mais Banif Jorge Tomé Albino Oliveira Patris Investimentos ministério das Finanças António Costa TVI Caixa Geral de Depósitos
Mais lidas
Outras Notícias