Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acções do BPI deslizam 7% para novo mínimo de 2013 em dia de resultados

As acções do BPI estão a registar uma queda acentuada esta quinta-feira, dia em que serão conhecidos os resultados referentes a 2014. Os títulos estão a negociar em níveis idênticos aos observados em 2013.

Bruno Simão/Negócios
Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 29 de Janeiro de 2015 às 13:14
  • Partilhar artigo
  • 15
  • ...

As acções do BPI estão a descer 6,92% para 80,7 cêntimos, tendo já esta manhã deslizado mais de 9,5% para 78,3 cêntimos, o que corresponde ao valor mais baixo desde Julho de 2013. A queda dos títulos está a ser acompanhada de uma liquidez alta, tendo já trocado de mãos mais de 3,7 milhões de acções, o que compara com a média diária de 2,8 milhões.

 

O dia será marcado pela apresentação dos resultados referentes ao último trimestre do ano passado, com os analistas consultados pela Reuters a estimarem que o banco liderado por Fernando Ulrich tenha registado um lucro de 22,5 milhões de euros nos últimos três meses do ano, regressando assim aos lucros. Para o acumulado do ano, o CaixaBI estima que o BPI tenha registado um prejuízo de 83,1 milhões de euros.

 

Os analistas salientam o impacto de Angola nas contas do banco, bem como o desafio que este mercado representa para a instituição, devido às regras europeias.

 

"Já há algum tempo que Angola tem sido apontada como motivo para a pressão sobre as acções do BPI e é uma questão que continua em cima da mesa", afirmou Albino Oliveira, analista da Fincor, à Reuters.

 

"Desde que surgiram as notícias sobre Angola ainda não houve qualquer comentário do banco sobre o tema e o mercado tem a expectativa que apareça uma indicação ou comentário sobre o tema hoje nos resultados ou na respectiva apresentação," referiu o analista da Fincor, citado pela agência de informação.

 

"Há algum nervosismo sobre os resultados, expectativa perante o que poderá ser apresentado mais logo," adiantou Albino Oliveira.

 

"Além disto, os bancos continuam pressionados por causa do nervosismo em torno dos bancos gregos, apesar da recuperação parcial de hoje", adiantou o mesmo analista.

Ver comentários
Saber mais BPI Fernando Ulrich
Outras Notícias