Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Analistas: Aproximação entre PS e BE afunda acções da banca nacional

A possibilidade de formação de um governo à esquerda penalizou os títulos da banca nacional, devido à incerteza dos investidores perante as medidas que poderão ser implementadas caso esse cenário se concretize.

Sara Matos/Negócios
Rita Faria afaria@negocios.pt 12 de Outubro de 2015 às 17:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 103
  • ...

Foi uma segunda-feira de fortes perdas para a banca nacional. Nesta primeira sessão da semana os títulos do sector financeiro português afundaram em bolsa, penalizando o desempenho do principal índice português, o PSI-20, que encerrou com uma desvalorização de 3,05%.

 

A liderar as perdas esteve o BCP, que afundou 9,38% para 5,7 cêntimos, enquanto o BPI desvalorizou 7,29% para 1,068 euros. Estas foram as maiores descidas desde 29 de Junho, sessão em que o banco liderado por Nuno Amado caiu 11,15% e a instituição dirigida por Fernando Ulrich recuou 8,45%. Já o Banif cedeu 2,63% para 0,4 cêntimos, o valor mais baixo de sempre.

 

Esta segunda-feira, as perdas do sector agravaram-se por volta das 14 horas, num movimento que coincidiu com as declarações de António Costa e Catarina Martins na sequência da reunião entre o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda. O líder socialista assinalou que há margem para aproximar posições" com o BE e Catarina Martins afirmou que estão criadas as condições para um governo liderado pelo PS e apoiado pelo BE.

 

Além de um movimento de correcção – visto que o BCP subiu quase 40% nas últimas duas semanas, e o BPI mais de 26% - a queda das acções da banca justifica-se pela incerteza que envolve a eventual formação de um governo à esquerda, segundo os analistas consultados pelo Negócios.

 

"Após as fortes subidas, a banca nacional está a entrar numa fase de correcção, agravada por um possível governo de esquerda. Toda a bolsa nacional agravou as perdas, a partir do momento em que foi vinculada a notícia de que é possível que o PS tente um governo à esquerda e que cancelou a reunião com a coligação amanhã", refere Pedro Lino, CEO da Dif Broker.

 

Na opinião de Albino Oliveira, analista da Fincor, a possibilidade de um governo formado por partidos "tradicionalmente considerados de ‘protesto’" configura um cenário de incerteza, que os mercados financeiros rejeitam. "Os mercados não gostam de incerteza, pelo que é usual incorporarem um maior prémio de risco nesta situação, consequência de um maior risco político devido à incerteza dos investidores perante as medidas que poderão ser implementadas se concretizado esse cenário", concretiza Albino Oliveira.

 

Apesar de considerar que a correcção do sector na sessão de hoje "não é surpreendente", depois das subidas significativas das últimas sessões, a equipa de research do BiG, defende que a formação de um governo à esquerda poderá ser "negativa" para a imagem externa de Portugal junto dos investidores internacionais.

 

"A redução da austeridade, o aumento do rendimento disponível das famílias e a reposição de feriados poderão deteriorar as condições de financiamento nos mercados de dívida pública, na medida em que os investidores interpretam tal recuo como prejudicial para a redução do défice e do endividamento, além da clara diminuição da competitividade empresarial do país a longo prazo", referem os analistas do Banco BiG. "Se a reeleição da coligação foi recebida com optimismo pelos investidores depois das eleições, é natural que o avanço das forças de esquerda nas negociações motive algum cariz pessimista".

 

Esse avanço poderá mesmo ser comparado com a ascenção das forças radicais na Grécia, que puseram em causa a austeridade e o processo de ajustamento do país, segundo Pedro Ricardo Santos, gestor da XTB Portugal. "As linhas programáticas dos partidos mais à esquerda do PS reavivam receios das "experiências" gregas dos últimos meses. Considerando a dependência da banca nacional da Zona Euro, qualquer sinal de aproximação com a esquerda radical assusta os investidores que começam a vender posições neste sector", defende o gestor. 

Ver comentários
Saber mais BCP BPI Nuno Amado Fernando Ulrich António Costa Banif Bloco de Esquerda Partido Socialista BE PS Pedro Lino Albino Oliveira Dif Broker Banco BiG XTB
Mais lidas
Outras Notícias