Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banca e sector automóvel penalizam bolsas europeias

As acções europeias estão em declínio hoje depois de uma subida de seis sessões consecutivas onde alcançaram o seu valor mais elevado em dois meses.

Ana Catarina Gonçalves 14 de Julho de 2010 às 11:52
  • Partilhar artigo
  • ...
O Stoxx 600, índice e referência europeu, desce 0,43%, para 254,89 pontos. A pressionar o índice estão os sectores da banca e automóvel, que depreciam cerca de 1%. O sector tecnológico é o que mais trava esta descida, depois da Intel ter ontem apresentado os resultados do segundo trimestre, com os números a superarem as estimativas dos analistas.

O espanhol IBEX desvaloriza 0,32%, para 10.192,80 pontos. No sector da banca, as principais descidas são a do BBVA, que deprecia 0,77% para 9,705 euros, e a do Banco Popular, que desce 1,53% para 4,772 euros.

O CAC40 francês desvaloriza 0,30%, para 3.627,00 pontos. No sector automóvel, a Renault regista uma descida de 1,74% para 34,66 euros, acompanhada pela Peugeot, que deprecia 1,11% para 24,10 euros. O BNP Paribas também está em queda, desvalorizando 2,14% para 50,35 euros.

No alemão DAX a desvalorização é de 0,09%, para 6.185,37 pontos. No sector automóvel, a BMW deprecia 0,59% para 41,60 euros e a Volkswagen cai 0,87% para 72,53 euros. Em contrapartida, a Infineon sobe 1,76% para 5,315 euros, e a SAP valoriza 0,89% para 37,795 euros, compensando as descidas automóveis.

O AEX holandês deprecia 0,15% para 333,27 pontos, apesar da tendência de valorização da STMicroelectronics de 1,74% para 6,882 euros.

Por fim, o londrino Footsie regista uma descida de 0,58%, para 5240,64 pontos, num dia em que o HSBC e o Royal Bank of Scotland caem 1,04% para 637,7 pence e 2,16% para 45,40 pence, respectivamente.

As bolsas europeias estão a corrigir a subida de ontem, impulsionada sobretudo pelos resultados apresentados na segunda-feira à noite pela Alcoa, e pelos números da Intel. As duas cotadas norte-americanas iniciaram assim a época de apresentação de resultados nos EUA, com os números a deixarem os investidores optimistas.

Ver comentários
Outras Notícias