Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCP e EDP sustentam bolsa nacional

A bolsa nacional seguia a subir, em linha com a maioria das praças europeias, impulsionada pelo Banco Comercial Português e pela Energias de Portugal. O PSI-20 ganhava 0,26% com a Portugal Telecom a travar maiores avanços e com a Impresa a atingir novo má

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 20 de Dezembro de 2004 às 10:39
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A bolsa nacional seguia a subir, em linha com a maioria das praças europeias, impulsionada pelo Banco Comercial Português e pela Energias de Portugal. O PSI-20 ganhava 0,26% com a Portugal Telecom a travar maiores avanços e com a Impresa a atingir novo máximo.

O principal índice da bolsa nacional cotava nos 7.557,56 pontos com dez acções a subir, quatro a cair e seis inalteradas. Na Europa, as bolsas avançavam impulsionadas pelas farmacêuticas e pelas petrolíferas que subiam depois de, na semana passada, o petróleo ter registado o ganho semanal mais elevado desde 2000.

Na bolsa nacional o principal responsável pela sua tendência era o Banco Comercial Português [bcp] que somava 0,53% para os 1,88 euros. Na sexta-feira, a instituição liderada por Jardim Gonçalves anunciou que o ABN Amro alienou 2% do BCP através de duas operações através das quais encaixou um total de 120,6 milhões de euros.

Ainda em relação a esta instituição bancária, os especialistas do BPI, num estudo sobre a banca da Península Ibérica, entre os oito bancos analisados a preferência recai sobre o Millennium bcp, por acreditarem que a instituição financeira liderada por Jorge Jardim Gonçalves vai apresentar uma melhoria mais pronunciada no crescimento das receitas que as suas rivais.

O BPI acredita ainda que o BCP vai manter os custos sob controlo (abaixo da inflação), reduzir gradualmente a carga das provisões e receber um maior contributo da actividade desenvolvida fora das fronteiras nacionais, em particular, da Polónia.

Estes mesmos especialistas recomendam uma exposição de «neutral» a «overweigth» para a banca da Península Ibérica em 2005, considerando que a forte concorrência e as baixas taxas de juro vão continuar a exercer pressões no próximo ano.

Na restante banca, o Banco Espírito Santo [besnn] e o Banco BPI [bpin] seguiam inalterados nos 13 e 3,03 euros, respectivamente.

A Energias de Portugal [edp] avançava 0,45% para os 2,24 euros. A subida dos encargos sobre o sistema público de electricidade e a transferência de consumo para o mercado liberalizado vão pressionar as tarifas nos próximos anos, noticiou hoje o Jornal de Negócios. Os encargos a reflectir sobre as tarifas eléctricas do sistema vinculado vão aumentar substancialmente nos próximos três anos.

Segundo o «Diário Económico» a EDP quer arrancar, já em 2005, com a construção de um novo grupo de produção de electricidade a gás natural, cujo investimento rondará 165 milhões de euros. A sua entrada em funcionamento está programada para 2008, de acordo com o plano estratégico para o próximo triénio.

A Brisa ganhava 0,60% para os 6,73 euros e a Sonae SGPS [son] subia 0,95% para os 1,06 euros. Depois da Sonae ter consumado a venda da sua posição na Imocapital à Europac, os investidores começam a antecipar um cenário de retirada de bolsa da Gescartão, através de uma oferta potestativa. A expectativa surge depois da CMVM ter emitido um parecer em que não obriga o lançamento de uma OPA geral por parte da Europac sobre a Gescartão, avança hoje o Jornal de Negócios. A papeleira subia 0,93% para os 10,80 euros.

A Impresa [ipr] avançava 2,63% para os 5,85 euros, máximo desde 2001. A empresa de Pinto Balsemão tem vindo a atingir máximos consecutivos. A Cofia [cofi] subia 0,27% para os 3,76 euros e a Media Capital estava estável nos 5,15 euros.

A travar maiores ganhos seguia a Portugal Telecom [ptc] que escorregava 0,33% para os 8,97 euros. Segundo o «Semanário Económico» da passada sexta-feira, a operadora de telecomunicações poderá aumentar a sua participação na Companhia de Telecomunicações de Macau e formar uma parceria com a China Unicom.

A ParaRede também deslizava 2,63% para os 0,37 euros e a Semepa [sema] perdia 0,73% para os 4,06 euros.

Outras Notícias