Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BES cai menos de 5% a aliviar as perdas da manhã

As acções do BES chegaram a cair mais de 7% na parte da manhã, tendo recuperado até ao fecho para fechar com uma queda abaixo de 5%. Ainda assim persistem abaixo do preço a que as acções foram vendidas no aumento de capital.

Miguel Baltazar/Negócios

As acções do Banco Espírito Santo fecharam a cair 4,65%, reduzindo a menos de metade as perdas que chegaram a registar durante a sessão.

 

No fecho da sessão as acções do banco cotavam nos 61,5 cêntimos, menos 4,65% do que na véspera. A meio da sessão chegaram a cair 10,7% para 57,6 cêntimos, tendo vindo a recuperar algum terreno até ao fecho.

 

Os problemas no Grupo Espírito Santo, que através da ESFG controla 25% do BES, tem vindo a penalizar o banco, numa altura em que os atrasos no reembolso de títulos de dívida do banco suíço do GES está a afastar os investidores dos títulos ligados ao grupo.

 

Esta foi a terceira sessão de fortes quedas para o banco ainda liderado por Ricardo Salgado, que na semana acumula uma desvalorização de 18,2%. Os títulos estão assim a negociar já bem abaixo do preço que os investidores pagaram pelas novas acções (65 cêntimos) no aumento de capital concretizado em Junho.

 

A queda das acções do Espírito Santo Financial Group foi mais acentuada, com os títulos a descerem 10,96% para 1,30 euros no dia em que a Moody’s cortou o "rating" da "holding" em três níveis, para Caa2.

 

Esta queda ocorre no dia em que o Negócios avança que alguns clientes do Banque Privée Espírito Santo, o banco de gestão de fortunas que o Grupo Espírito Santo (GES) tem na Suíça, estão a começar a organizar-se para avançarem em conjunto com queixas contra a instituição e a Espírito Santo International (ESI), "holding" de topo do GES.

 

Em causa está o facto de terem em atraso o reembolso de investimentos realizados em papel comercial da ESI e de outras sociedades do grupo que, alegam, lhes foram apresentados pelo banco suíço do GES como produtos sem risco, mas que agora estão sob a ameaça de incumprimento.

 

Dívida em mínimos

A contribuir para a queda das acções esta quarta-feira está a desvalorização dos títulos de dívida do BES. Segundo a Bloomberg, as obrigações subordinadas com maturidade em Novembro de 2023 estão a cair 4,87 cêntimos para 88,49 cêntimos, a cotação mais baixa de sempre.

 

"As notícias dos últimos dias estão a confirmar as suspeitas dos investidores sobre a dimensão dos problemas no topo do grupo", disse à Bloomberg Roger Francis, analista do Mizuho International, acrescentando que "há uma grande incerteza no mercado com as notícias de falhas nos pagamentos".

 

O banco que está a atrasar o reembolso de dívida aos clientes não é detido pelo BES, sendo antes controlado pelo GES. A ESFG, detida pelo GES, controla 25% do capital do banco ainda liderado por Ricardo Salgado.

 

Efeito positivo da nova gestão durou pouco

 Na sexta-feira, 4 de Julho, as acções do BES chegaram a ganhar mais de 8% após ser noticiado que Vítor Bento iria ocupar o lugar de Ricardo Salgado à frente do banco. Nesse dia, as acções do BES fecharam a negociar nos 0,752 euros, resultado da subida de 8,20%. Durante a sessão, chegaram a avançar mais de 9%, tocando nos 0,759 euros.

 

Esta segunda-feira, os títulos do banco regressaram às quedas e acumulam, entretanto, três sessões de perdas. O mercado está agora a avaliar o BES em 3.459 milhões de euros.

 

Recorde-se que os títulos do BES têm vindo a ser fortemente penalizados devido às alterações que a instituição vai realizar no seio da administração. Primeiro, surgiu a instabilidade provocada pelo anúncio da saída de Ricardo Salgado e da indefinição sobre quem seria o seu sucessor na liderança da instituição. De seguida, surgiu mais uma notícia negativa para o banco. O Grupo Espírito Santo (GES) está sob pressão para encontrar financiador para os 900 milhões de euros de papel comercial subscrito pela Portugal Telecom. Uma aplicação que vence a 15 e 17 de Julho.

 

E hoje a notícia de que alguns clientes do Banque Privée Espírito Santo, o banco de gestão de fortunas que o Grupo Espírito Santo (GES) tem na Suíça, estão a começar a organizar-se para avançarem em conjunto com queixas contra a instituição e a Espírito Santo International (ESI), "holding" de topo do GES, volta a pressionar as acções.

 

No meio da tensão, o Banco Espírito Santo já perde 34,5% desde o início do ano, e está a ser determinante para o facto do PSI-20, que chegou a subir quase 18% no ano no início de Abril, já estar em terreno negativo.

Ver comentários
Saber mais Banco Espírito Santo Grupo Espírito Santo ESFG BES Ricardo Salgado Espírito Santo Financial Group GES Espírito Santo International Vítor Bento
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio