Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsa de Lisboa regressa ao vermelho após duas sessões

A praça portuguesa acompanha a tendência das pares europeias, com quedas menores que no Velho Continente, onde as negociações são influenciadas por factores geopolíticos.

A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes paulozgomes@negocios.pt 07 de Abril de 2017 às 08:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

Depois de duas sessões em terreno positivo, o final de semana para a bolsa nacional está a começar no vermelho, a acompanhar a tendência nas praças europeias, onde as negociações estão a ser condicionadas por factores geopolíticos, nomeadamente a intervenção dos EUA na Síria, com a destruição de uma base aérea envolvida no ataque com armas químicas no início desta semana.

O PSI-20 recua 0,17% para 4.990,38 pontos, com 13 dos 19 títulos do índice em queda, quatro com ganhos e dois inalterados.

A determinar as descidas estão os recuos do BCP, EDP, Galp e Pharol. O banco liderado por Nuno Amado cai 0,27% para 0,184 euros, depois de ontem o Blackrock ter comunicado um regresso a uma posição superior a 2% na instituição, enquanto a Galp – apesar dos ganhos experimentados pelo petróleo em Londres e Nova Iorque, superiores a 1% - cai 0,55% para 14,355 euros.

A EDP cede 0,19% para 3,18 euros, no dia em que o fundo soberano norueguês, avaliado em 900 mil milhões de dólares, apresenta o relatório dos seus investimentos no primeiro trimestre. Entre as participações encontra-se a eléctrica liderada por António Mexia. 

Os títulos da Pharol deslizam pela sexta sessão consecutiva, a perder 1,43% para 0,345 euros, próximo de mínimos de meados de Fevereiro, depois de o ministro brasileiro da Tecnologia do Brasil, ter dito que a hipótese de intervenção na Oi (de que a portuguesa é maior accionista) aumenta com o passar do tempo.

A travar maiores descidas estão os ganhos da Mota Engil, Corticeira Amorim, Teixeira Duarte e CTT. A construtora liderada por Gonçalo Moura Martins ganha 0,1% para 2,09 euros. A maior apreciação cabe à corticeira, que soma 1,73% para 10,87, a cinco cêntimos do máximo histórico intradiário de 10,92 euros.

(Notícia actualizada às 8:50 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais economia negócios e finanças mercado e câmbios bolsa
Mais lidas
Outras Notícias