Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCP cai 7,5% e arrasta bolsa nacional

A praça lisboeta terminou a sessão a recuar perto de 1,5% pressionada pelo BCP que caiu mais de 7,5%, e pela Jerónimo Martins que cedeu acima de 2,5%. O BCP e outras quatro cotadas negociaram em mínimos.

A carregar o vídeo ...
David Santiago dsantiago@negocios.pt 29 de Setembro de 2015 às 16:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • 46
  • ...

PSI-20 encerrou a sessão bolsista desta terça-feira, 29 de Setembro, a perder 1,41% para 4.896,39 pontos, com 14 cotadas a negociar em queda e as restantes quatro em alta. O principal índice nacional liderou as perdas comparativamente com as principais bolsas europeias que também negociaram no vermelho. A excepção coube ao espanhol Ibex que à hora de fecho do PSI-20 seguia a somar 0,20%.

 

As praças europeias voltaram a ser pressionadas pelos indicadores que vêm apontando para o abrandamento da economia global e também pela indefinição em torno da decisão da Reserva Federal norte-americana quanto à subida da taxa de juro directora. Na reunião mensal de Setembro, a Fed decidiu manter inalterados os juros em mínimos históricos.

 

Por cá, o BCP foi a cotada que mais penalizou a praça lisboeta num dia em que chegou a desvalorizar 9,78%. O banco liderado por Nuno Amado recuou 7,56% para 0,0416 euros numa sessão em que chegou mesmo a tocar nos 0,0406 euros, um mínimo de 30 de Novembro de 2012.

 

Numa altura em que não é conhecido se será preciso avançar com alterações ao regime relativo ao uso de activos por impostos indeferidos, que foi aprovado pelo Governo no ano passado, e que permitiu melhorar os rácios dos bancos nacionais, a indefinição em torno do processo de venda do Novo Banco continua também a pressionar o BCP.

Ainda no sector financeiro, o Banif deslizou 2,63% para 0,0037% depois de o banco liderado por Jorge Tomé ter negociado nos 0,0036 euros, um mínimo histórico para o banco madeirense. Já o BPI contrariou o sentimento dominante tendo avançado 0,44% para 0,915 euros.

 

Jerónimo Martins voltou a penalizar o PSI-20, ao desvalorizar 2,73% para 11,24 euros, enquanto a Sonae recuou 0,19% para 1,061 euros no dia seguinte à confirmação do fim da parceria, para a abertura de hipermercados em Angola, com a empresária Isabel dos Santos.

 

Também os CTT voltaram a figurar entre as empresas que mais pressionaram a bolsa nacional. Os correios nacionais caíram 2,12% para 9,901 euros.

 

O dia foi negativo também para o sector da construção, com as duas cotadas a negociarem em mínimos de mais de dois anos. A Mota-Engil perdeu 6,09% para 1,82 euros, depois de ter negociado em mínimos de Abril de 2013 ao tocar nos 1,801 euros. Isto no dia em que o Negócios escreve que a Mota-Engil colocou à venda parcerias com o Novo Banco. Também esta terça-feira, o CaixaBI reviu em baixa o preço-alvo da Mota-Engil de 3,60 euros para 3 euros, tendo mantido a recomendação inalterada em "comprar".

 

Ainda na construção, a Teixeira Duarte caiu 3,66% para 0,421 euros, num dia em que também negociou em mínimos de Abril de 2013 ao transaccionar nos 0,421 euros.

 

Destaque pela negativa ainda para a Impresa que deslizou 1,12% para 0,62 euros depois de ter negociado nos 0,588 euros, o valor mais baixo desde Julho de 2013.

 

Sentimento dividido para o sector energético. A Galp Energia recuou ligeiros 0,05% para 8,499 euros, enquanto o grupo EDP contribuiu para evitar perdas mais pronunciadas da bolsa nacional. A EDP somou 0,38% para 3,171 euros e a EDP Renováveis avançou 0,98% para 5,789 euros. 

(Notícia actualizada às 16h53)

Ver comentários
Saber mais PSI-20 Fed BCP bolsa nacional Jerónimo Martins Novo Banco Banif BPI Sonae CTT Mota-Engil Teixeira Duarte Impresa Galp Energia EDP EDP Renováveis
Outras Notícias