Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsa acompanha queda das praças europeias com escalada do petróleo (act)

A bolsa nacional fechou hoje em queda, acompanhando o sentimento negativo das praças europeias, que foram pressionadas pelos novos máximos históricos registados pelo petróleo. O PSI-20 desceu 0,11%, com o BCP e a PT a pressionarem, enquanto a EDP impediu

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 20 de Junho de 2005 às 17:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A bolsa nacional fechou hoje em queda, acompanhando o sentimento negativo das praças europeias, que foram pressionadas pelos novos máximos históricos registados pelo petróleo. O PSI-20 desceu 0,11%, com o BCP e a PT a pressionarem, enquanto a EDP impediu maiores quedas.

O PSI-20 terminou a sessão a valer 7.509,63 pontos, com seis títulos a subir, 13 a descer e um inalterado. A sessão foi marcada pelos efeitos negativos de nova escalada nos preços do petróleo e pela fraca liquidez. Os 20 títulos do índice transaccionaram um total de 58 milhões de euros, o valor mais baixo deste mês.

As praças europeias fecharam em queda, com os investidores a temerem os efeitos nefastos dos altos preços do petróleo nos resultados das empresas e na evolução da economia mundial. O crude em Nova Iorque fixou um novo recorde histórico e os analistas prevêem que em breve venha a quebrar a barreira dos 60 dólares por barril.

A queda do PSI-20 não foi tão acentuada como a dos congéneres europeus, devido à valorização de 0,96% para os 2,10 euros da EDP. A eléctrica beneficiou do facto de a sua participada Energias do Brasil ter hoje anunciado as condições do seu IPO, numa operação que vai ser realizada no próximo mês.

O Banco Comercial Português foi o título que mais pressionou o índice, com uma queda de 0,47% para os 2,11 euros. No resto da banca o Banco Espírito Santo cedeu 0,47% para os 12,80 euros e o Banco BPI avançou 0,31% até aos 3,20 euros.

A Portugal Telecom mantém uma toada negativa e hoje desvalorizou mais 0,38% para os 7,97 euros, voltando assim a cotar abaixo da barreira dos 8 euros. A sua participada PT Multimédia, ainda penalizada com o serviço de TV por cabo que a Sonaecom vai lançar, cedeu 1,17% para os 8,42 euros.

A empresa que controla a TV Cabo poderá vir a encetar novas formas de remuneração aos accionistas depois de ter concluído o programa de recompra de acções de 1,5% do capital, afirmou hoje Luís Pacheco Melo administrador financeiro PT Multimédia.

No Grupo Sonae o dia também foi de quedas, com SGPS a recuar 0,86%, enquanto a Sonaecom baixou 0,58% para os 3,43 euros.

A Media Capital desvalorizou 0,47% para 6,42 euros no dia em que o seu CEO, Pais do Amaral, afirmou que a coesão accionista da empresa afasta o cenário de uma OPA hostil. A rival Impresa verificou ainda uma queda maior, ao ceder 1,11% para os 5,35 euros.

A maior descida entre os 20 títulos que integram o PSI-20 foi protagonizada pela ParaRede, que caiu 6,67% para os 0,28 euros, igualando o valor de fecho mais baixo deste ano. A empresa liderada por Paulo Ramos, que este ano desce cerca de 25% na pior performance entre os títulos do PSI-20, não fecha a subida desde dia 9 deste mês.

Outras Notícias