Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsa em mínimo de dois meses após três sessões a cair mais de 1%

A Galp Energia – devido à queda dos preços do petróleo – e a Navigator – devido a um corte de recomendação e preço-alvo do BPI – foram as cotadas que mais pressionaram a praça portuguesa.

A carregar o vídeo ...
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 13 de Setembro de 2016 às 16:46
  • Assine já 1€/1 mês
  • 24
  • ...

A bolsa nacional fechou em queda pela terceira sessão consecutiva, sempre a recuar mais de 1%, uma prestação que atirou o índice português para o nível mais baixo desde 19 de Julho. O PSI-20 terminou a sessão nos 4.557,2 pontos, com 14 cotadas em queda e quatro em alta.

 

A praça portuguesa liderou as perdas na Europa, que registou uma tendência mista, com as acções a serem penalizadas pela queda dos preços do petróleo. Ontem Wall Street fechou em terreno positivo, a corrigir das perdas de sexta-feira, depois de Lael Brainard, responsável da Fed, ter afastado o cenário de uma subida dos juros já na próxima semana.

 

Contudo a descida do petróleo, em resultado de um relatório negativo da Agência Internacional de Energia (AIE) para o sector, acabou por ditar a inversão de sentimento nos mercados financeiros.

 

As produtoras de matérias-primas na Europa registaram a quarta sessão seguida de perdas, a série negativa mais longa desde Junho.

 

Em Lisboa a Galp Energia foi uma das cotadas que mais pressionaram o índice português, com as acções da petrolífera a descerem 3,38% para 12,42 euros. Ainda no sector energético a EDP desvalorizou 0,62% para 2,898 euros e a EDP Renováveis caiu 0,79% para 7,01 euros.

 

A Navigator destacou-se pela negativa, com uma queda de 6,63% para 2,649 euros, depois do BPI ter retirado a cotada da sua lista de acções preferidas. O banco reduziu ainda o preço-alvo das acções da empresa de pasta e papel em 10%, para 3,40 euros, e cortou a recomendação para "neutral". A Semapa acompanha o sentimento de perdas e recuou 2,9% para 11,555 euros. A Altri, que integra o mesmo sector da ex-Portucel, desceu 4,2% para 3,146 euros.

 

Na banca, o BCP desvalorizou 3,23% para 1,8 cêntimos. Na edição desta terça-feira, o Negócios avança que Fosun já tem satisfeita uma condição para entrar no BCP. O conselho de administração deverá reunir-se esta quarta-feira para se pronunciar sobre o investimento da Fosun. Há assuntos por limar: o BCP tem seis obstáculos por eliminar para que o novo accionista possa entrar
.

O BPI desvalorizou 0,78% para 1,012 euros, o valor mais baixo desde que o CaixaBank ofereceu 1,113 euros por cada acção do banco liderado por Fernando Ulrich.

A Jerónimo Martins desvalorizou 0,28% para 14,155 euros. O Negócios adianta na edição de hoje que a retalhista e a REN entraram no radar dos especuladores. Nas últimas semanas, houve alguns fundos que apostam nas quedas a ajustar as posições. A Jerónimo Martins entrou no radar das entidades que tentam lucrar com eventuais desvalorizações das acções. Ainda no retalho, a Sonae recuou 3,87% para 67 cêntimos.

Ver comentários
Saber mais Wall Street bolsa PSI-20
Mais lidas
Outras Notícias