Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsa nacional acompanha ganhos europeus

A bolsa nacional inverteu da tendência de queda verificada na abertura da sessão e acompanhava os ganhos das congéneres europeias. O principal índice nacional seguia a valorizar 0,24%, impulsionado pelos títulos da PT e da Energias de Portugal.

Paulo Moutinho 29 de Março de 2006 às 10:08
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A bolsa nacional inverteu da tendência de queda verificada na abertura da sessão e acompanhava os ganhos das congéneres europeias. O principal índice nacional seguia a valorizar 0,24%, impulsionado pelos títulos da PT e da Energias de Portugal.

O PSI-20 [psi20] avançava para os 10.147,44 pontos, numa sessão em que oito dos vinte títulos que compõem o índice seguiam a desvalorizar, sete avançavam e cinco cotadas seguiam sem variação. Nas principais praças europeias a tendência era de subida, com as petrolíferas a impulsionar, depois das fortes valorizações de ontem do preço da matéria-prima nos mercados internacionais.

A Portugal Telecom [ptc] era a principal impulsionadora do índice nacional. Os títulos da operadora de telecomunicações seguiam a apreciar 0,30% para os 10,14 euros, depois de ontem terem encerrado a negociação a cair quase 1%. A participada, a PT Multimédia [ptm] recuava 0,20% para os 10,07 euros.

Também a contribuir para os ganhos no PSI-20 estava a EDP [edp]. A eléctrica nacional subia 0,66% para os 3,06 euros, depois de ter chegado a negociar nos 3,07 euros, o valor mais elevado desde Abril de 2001.

No sector da banca, o Banco BPI [bpin] que terminou a negociação de ontem a ceder mais de 1,5%, seguia a apreciar 0,51% para os 5,87 euros, já o BCP [bcp] cedia 0,38% para os 2,63 euros, tal como Banco Espírito Santo (BES) [besnn] que recuava 0,27% para os 14,96 euros.

No Grupo Sonae, a Sonae SGPS [son] avançava 0,73% para os 1,38 euros e a Sonaecom [snc], liderada por Paulo Azevedo, seguia sem variação nos 4,06 euros.

A Brisa [brisa] apreciava 0,52% para os 7,75 euros e a Corticeira Amorim [cor] subia 0,62% para os 1,62 euros, depois de ter renovado o valor mais elevado desde Fevereiro de 1999, nos 1,63 euros. No diário de bolsa, o BPI Equity Research aumentou o preço-alvo dos títulos da empresa liderada por Américo Amorim para o final de 2006 dos 1,60 euros para os 1,70 euros, mantendo a recomendação de «acumular».

Quem também a renovou máximo de mais de cinco anos foi a Jerónimo Martins[jmar]. A retalhista esteve a negociar nos 14,52 euros, o valor mais elevado desde Agosto de 2000, e seguia agora a apreciar 0,63% para os 14,49 euros.

Nos «media», a Impresa [ipr] mantinha a tendência de queda das últimas sessões e recuava 1,27% para os 5,44 euros. A Cofina [cofi] e a Media Capital [mcp] cediam 0,26% e 0,12%, respectivamente.

Outras Notícias